A proporção de população brasileira com anticorpos para a Covid-19 aumentou 53% em apenas duas semanas, segundo uma investigação científica realizada pela Universidade de Pelotas (Ufpel).

O levantamento faz parte da segunda fase de um projeto chamado Epicovid19, que contou com 31.165 testes e entrevistas realizados entre os dias 4 a 7 de junho em todo o país. A primeira fase do estudo aconteceu de 14 a 21 de maio, e contou com 25.025 testes e entrevistas.

A Ufpel informou que testes realizados em 83 cidades com 200 ou mais pessoas nas duas fases do levantamento apontaram que a proporção da população brasileira com anticorpos da Covid-19 aumentou de 1,7% na fase 1 para 2,6% na segunda fase da investigação científica.

“Esse aumento de 53% foi estatisticamente significativo e é inédito em estudos similares. Por exemplo, em Espanha, um estudo semelhante indicou um aumento de apenas 4% entre as duas etapas da pesquisa”, indica um relatório da Ufpel com os resultados preliminares da investigação.

No conjunto das 120 cidades que alcançaram 200 ou mais entrevistas na fase 2 da pesquisa, a proporção de pessoas com anticorpos, que significa que já tiveram ou têm Covid-19, foi estimada em 2,8%, podendo variar de 2,6% a 3,0% pela margem de erro da pesquisa.

“Essas 120 cidades correspondem a 32,7% da população nacional [brasileira], totalizando 68,6 milhões de pessoas, entre as quais, 1,9 milhão (margem de erro de 1,7 a 2,1 milhões) estão ou já estiveram infetadas”, explicou o relatório.

Assim, os cientistas brasileiros voltam a afirmam que a contagem de pessoas com anticorpos do novo coronavírus no Brasil certamente já está na casa dos milhões, e não dos milhares.

O levantamento também indicou que das 20 cidades com as maiores taxas de pessoas com anticorpos, 12 estão localizadas no norte do Brasil, sete no nordeste e uma no sudeste, justamente a cidade do Rio de Janeiro, uma das capitais com mais casos da doença e onde a taxa de pessoas com anticorpos saltou de 2,2% para 7,5%.

“No Rio de Janeiro, com 6,7 milhões de habitantes e 7,5% da população com anticorpos, os pesquisadores estimam que 503 mil pessoas têm ou já tiveram o coronavírus”, frisou o estudo da Ufpel.

Já na Boa Vista, capital do estado brasileiro de Roraima (norte do Brasil), que abriga muitos refugiados e imigrantes da Venezuela, a proporção da população que tem ou já teve infeção pelo novo coronavírus foi estimada em 25%, ou seja, um de cada quatro habitantes da cidade.

O estudo também revelou informações que confirmam uma grande subnotificação dos casos de Covid-19 no país sul-americano.

“No dia 3 de junho, véspera do início da pesquisa, essas 120 cidades somadas contabilizavam 296.305 casos confirmados e 19.124 mortes. Os dados do EPICOVID19-BR estimam que, para cada caso confirmado de coronavírus nessas cidades, existem 6 pessoas com anticorpos na população”, frisou o relatório.

O Brasil totaliza 40.919 vítimas mortais desde o início da pandemia, segundo o Ministério da Saúde brasileiro. Em relação aos casos confirmados, o país sul-americano somou um total 802.828 pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus.

Já um consórcio formado pela imprensa brasileira indicou que o país registou 41.058 vítimas mortais e 805.649 casos da doença desde o início da pandemia, números diferentes dos que foram reportados pelo executivo.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 421 mil mortos e infetou mais de 7,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.