É uma tendência que se acentua — nos últimos quatro dias, o número de novos casos de infeção com Covid-19 tem superado sempre o número de novas recuperações. Esta quinta-feira, o boletim da Direção Geral de Saúde — que registou mais 6 mortes — identificou 311 novos casos, acima das 299 novas recuperações registadas.

Este ciclo iniciado na segunda-feira (com 259 novos casos para 172 recuperações) interrompeu seis dias consecutivos em que Portugal parecia caminhar em sentido inverso — de 16 a 21 de junho, houve mais recuperações do que novos casos.

Os dados da DGS mostram que os 311 infetados representam um aumento de 0,8% face ao dia anterior, enquanto as 6 mortes significam um aumento de 0,4%. Desde o início da pandemia, foram identificados 40.415 infeções, tendo morrido 1549 pessoas, e recuperaram 26.382 doentes.

Apesar de contabilizar mais 7 internados do que no dia anterior (+1,6%), para um total de 436 pessoas, as unidades de cuidados intensivos têm agora menos seis doentes críticos (há um total de 67 nessa condição). A redução, de 8,2%, só é comparável com os dados do início do mês — a 2 junho houve uma queda de 9,4%.

Distrito do Porto só tem dois casos nas últimas 24 horas

O concelho do Porto não teve qualquer caso de infeção no último dia e, mesmo em todo o distrito, a Direção Geral de Saúde só identificou dois casos, em Marco de Canaveses e Gaia.

Já o concelho de Lisboa teve 39 casos, 12,5% dos 311 registados no país. No entanto, o concelho com mais novas infeções na região de Lisboa e Vale do Tejo — que abrange o distrito de Lisboa, quase todo o distrito de Santarém e parte dos distritos de Setúbal e Leiria — é Sintra, com 55 casos. Esta quarta-feira tinha sido Odivelas, com 54 casos. No total, em toda a região, houve 240 casos de infeção, 77% do total (que compara com 82% do dia anterior).

Foi na região de Lisboa e Vale do Tejo que se registaram quatro das seis mortes das últimas 24 horas. As restantes duas tiveram lugar no Alentejo — é preciso recuar até 11 de maio para encontrar aqui a última vítima mortal — e no Norte, onde não havia mortes com Covid-19 desde 20 de junho.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR