A Câmara de Cantanhede concedeu um apoio financeiro de 55.100 euros às associações culturais, tendo cabido dois terços desta ajuda aos grupos folclóricos e filarmónicas do concelho, foi anunciado esta sexta-feira.

Em comunicado, o município presidido por Helena Teodósio informa ter atribuído “aos grupos e associações musicais, recreativas e culturais” um apoio que totalizou 55.100,40 euros, na sequência de uma deliberação de executivo na sua reunião ordinária de dia 2.

A autarquia de Cantanhede, no distrito de Coimbra, refere que 2020 está a ser “um ano verdadeiramente excecional, sobretudo pelas consequências da pandemia” da Covid-19.

“Ainda que a dinâmica cultural local tenha sido paralisada, sobretudo como medida preventiva e responsável, os planos de atividades dos grupos e das coletividades de expressão musical, recreativo e cultural mantêm-se na expectativa de poder ver retomada a sua atividade, em consonância com as orientações emanadas das autoridades nacionais da saúde”, afirma o vice-presidente da Câmara, Pedro Cardoso, que detém o pelouro da cultura.

Para o autarca, citado na nota, “este apoio reveste-se desta excecionalidade, reiterando o papel proativo que o município tem assumido para com os grupos e associações musicais, recreativas e culturais.

Para Helena Teodósio, trata-se de ajudas financeiras “com o objetivo de perspetivar o futuro e reconhece a importância que o executivo concede ao imprescindível e valoroso trabalho que o movimento associativo – e de forma particular no que se refere à atividade de cariz cultural, musical e recreativa – tem incutido na inegável expressão e vitalidade cultural do concelho”.

“Os critérios que suportam a atribuição de subsídios às coletividades culturais estão a ser objeto de uma profunda revisão, com o objetivo de integrar outras expressões artísticas que até há relativamente pouco tempo não tinham grande expressão no nosso concelho e que agora (…) vão desenvolvendo um papel sociocultural de grande relevância”, segundo a Câmara Municipal.

Desta vez, foram contempladas também “agremiações que até aqui não têm tido elegibilidade”.

“Assim, às bandas filarmónicas foi atribuído um montante de 17.600 euros, cabendo 4.400 euros a cada uma das quatro” que existem no concelho. Já as escolas de música recebem um total de 6.600,40 euros, tendo em conta os “290 agentes em formação envolvidos neste processo cultural”. As 16 associações que dispõem de grupos de teatro foram contempladas com um total de 6.800 euros.

Pelos grupos folclóricos, a Câmara de Cantanhede distribuiu o montante de 18.600 euros, “para apoiar sua atividade de recolha, preservação, promoção e divulgação etnográfica”, de acordo com o comunicado.

“Associações e agremiações de índole cultural que preconizam outras expressões culturais, como a música coral, a dança, a música tradicional e popular, a arte visual e a arte cénica, foram contempladas com um apoio de 5.500 euros, que também elas têm demonstrado um contributo cultural extraordinário pela atividade que promovem regularmente”, realça.