Quando colocou o passaporte na mala e se encaminhou para o aeroporto, evitando as câmaras de segurança da universidade, a virologista chinesa Li-Weng Yan sabia que, provavelmente, nunca mais na vida iria ver os seus amigos e familiares, incluindo o marido com quem estava casada há seis anos. Isto, claro, se conseguisse mesmo fugir e não fosse intercetada no caminho – caso isso tivesse acontecido, diz, iria ser dada como “desaparecida” e, provavelmente, seria assassinada pelo regime comunista chinês.

Mas Li-Weng Yan conseguiu mesmo embarcar no voo da Cathay Pacific para os EUA, no dia 28 de abril, e está desde essa altura escondida num local secreto nos EUA. Foi a partir daí que deu uma entrevista à Fox News que está a correr mundo – Yan garante que Pequim está a mentir sobre a Covid-19, porque já conhecia a existência e o perigo do novo coronavírus. E a virologista critica, também, a Organização Mundial de Saúde (OMS), acusando-a de ter conhecimento da existência e do perigo do novo coronavírus muito antes de se anunciar oficialmente o surto que ocorreu em Wuhan.

Foi, porém, uma outra entrevista dada pela virologista quando ainda estava na China que esteve na origem de toda esta história. Essa foi uma entrevista dada ainda em janeiro, transmitida em streaming através do Youtube, no canal de um conhecido blogger chamado Lu Deh.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.