A prefeitura de São Paulo, a maior cidade do Brasil, anunciou esta sexta-feira o adiamento do Carnaval de rua e dos desfiles das escolas de samba em 2021 devido à pandemia do novo coronavírus.

Uma nova data para organizar o evento ainda não foi definida pelos responsáveis, mas o portal de notícias G1 adiantou que os desfiles das escolas de samba provavelmente acontecerão em maio de 2021.

O Carnaval de São Paulo é um dos maiores eventos do país. Este ano, mais de 15 milhões de pessoas participaram nos desfiles de rua em centenas de blocos organizados na cidade.

A prefeitura da capital ‘paulista’ estimou, em março, que o Carnaval 2020 gerou ganhos de 2,7 mil milhões de reais (450 milhões de euros) para a economia local.

Somados aos 227 milhões de reais (37,5 milhões de euros) movimentados pelo Carnaval no Sambódromo do Anhembi, onde acontecem os desfiles das escolas de samba, o total de receitas que a festa trouxe para a cidade chegou a 2,9 mil milhões de reais (480 milhões de euros).

O prefeito de Salvador também estuda adiar o carnaval para julho. No Rio de Janeiro, as escolas de samba esperam tomar uma decisão em setembro sobre a data dos desfiles. Representantes das agremiações insistem que sem uma vacina para a Covid-19 será impossível realizar o carnaval em segurança.

Além de adiar o Carnaval, as autoridades São Paulo também decidiram cancelar a corrida de Fórmula 1 do Brasil, que acontece anualmente na cidade, no Autódromo de Interlagos, por causa da Covid-19.

Uma parada anual organizada por grupos que reúnem Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgénero (LGBT) e um grande evento promovido por evangélicos chamado Marcha para Jesus, organizados na maior cidade do Brasil também não vão acontecer em 2020.