Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

As autoridades de saúde russas acreditam ter uma vacina contra o novo coronavírus pronta a ser administrada já em agosto. Pelo menos esse foi o mês avançado pelo ministro da Saúde da Rússia, Mijaíl Murashko, depois de já ter sido concluída a primeira fase dos testes clínicos.

Segundo o espanhol ABC, mal a Organização Mundial de Saúde anunciou, ainda em fevereiro, que a humanidade enfrentava um problema grave com este novo coronavírus que provoca a Covid-19, o Centro de Investigação Nacional de Epidemiologia e Microbiologia Gamaléi de Moscovo começou logo a trabalhar numa vacina. Isto porque, segundo explicam, já tinham tido a experiência de criar a vacina contra o vírus que provocava a Síndrome Respiratória Aguda do Médio Oriente (MERS).

Covid-19. Rússia anuncia “êxito” nas provas clínicas de vacina contra a doença

Segundo a diretora adjunta deste instituto, Meduza Denís Logunov, em entrevista a uma publicação online, os cientistas não precisaram de ser “muito criativos” para conseguir criar o produto. Os ensaios clínicos começaram a 17 de junho com a participação de voluntários e de militares das Forças Armadas. O primeiro grupo de cobaias teve alta a 15 de julho e o segundo a 20. Os investigadores garantem que o fármaco que lhes administraram teve capacidade de os deixar imunes, sem efeitos secundários para a saúde.

O ministro da Saúde já disse que em agosto esta vacina será administrada aos trabalhadores do setor da Saúde e aos grupos de risco. A Rússia supera já os 800 mil casos de contágios desde o início da pandemia, com mais de 588 mil curados. Ainda assim morreram já mais de 13 mil pessoas.

(Artigo corrigido em relação à conclusão dos ensaios clínicos. Ainda só terminou a primeira fase).