O Presidente dos EUA, Donald Trump, foi retirado de uma conferência de imprensa pelos seus guarda-costas. Após breves momentos, o líder do país regressou à sala de imprensa e explicou que um homem que dizia ter uma arma tinha sido baleado em frente ao terreno da Casa Branca.

[O momento em que Donald Trump teve de interromper a conferência de imprensa]

De acordo com a CNN, Trump afirmou que a situação “parecia estar bastante sob controlo”. Além disso, referiu: “Gostaria de agradecer aos Serviços Secretos por fazerem o seu trabalho sempre rápido e eficaz, mas houve realmente tiros e alguém foi levado para o hospital. Não sei o estado da pessoa. Parece que a pessoa foi baleada pelos Serviços Secretos, vamos ver o que acontece”.

Em vez de ter sido levado para o bunker da Casa Branca, o Presidente dos EUA esclareceu que foi “apenas para a sala oval”, até garantir-se que estava em segurança. “Eles [os serviços secretos] só queriam que me afastasse um pouco para ter certeza de que tudo estava controlado lá fora”, disse ainda Trump.

Ao mesmo canal, um responsável do executivo confirmou que havia um atirador ativo que foi entretanto detido. O incidente aconteceu na esquina da 17th com a Pennsylvania Avenue NW, fora dos jardins da Casa Branca e perto do parque Lafayette, refere também a CNN. No Twitter, os Serviços Secretos dos EUA confirmaram a mesma informação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Washington Post (WP) entretanto esclareceu que o atirador é um homem de 51 anos e terá abordado um agente dos Serviços Secretos nessa localização por volta das 17h50, dizendo-lhe que tinha uma arma. Thomas Sullivan, alto responsável dos Serviços Secretos, explicou em comunicado que o homem correu de forma agressiva na direção do agente e tentou retirar um objeto de dentro da roupa. Depois agachou-se e assumiu uma “postura de atirador”, como se estivesse prestes a disparar. Foi nesse momento que a autoridade disparou sobre o indivíduo, acertando-lhe no tronco de forma não fatal. Não foram revelados mais pormenores sobre a identificação do indivíduo e tanto ele como o polícia em questão foram levados para o hospital. Duas fontes da CNN no local afirmam que o homem baleado não estava armado.

Os jornalistas perguntaram ainda a Trump, após ter voltado à sala de imprensa, se este incidente o tinha abalado, ao que o Presidente respondeu em tom jocoso: “Não sei. Pareço abalado?”.

Trump diz que Covid-19 em crianças cria apenas “uma pequena fração de mortes”

Ao voltar ao palco o Presidente dos EUA teve de retomar a conferência de imprensa. Em resposta a uma jornalista sobre a abertura das escolas, Donald Trump disse que a Covid-19 apenas provoca a morte numa “pequena fração” da população mais jovem e que “recuperam muito depressa”. “Acho que, a maioria, não fica muito doente”, afirmou. Referindo que “as escolas têm de abrir”, referiu ainda que, do que é informado, os mais jovens não parecem ser transmissores da doença.

No momento em que foi retirado, Trump falava sobre o voto por correspondência, um tema que tem criado bastante polémica nos EUA. Contudo, quando voltou, não voltou a pegar nesse tema e, depois de ter falado das escolas, falou também da próxima reunião do G7. Sobre esta questão, no que concerne ao Presidente dos Estados Unidos, o líder da Rússia, Vladimir Putin, vai “certamente ser convidado”.

Ainda sobre o G7, Trump avançou que não vai realizar esta reunião em setembro mas sim depois das eleições presidenciais dos EUA, em novembro. “Estou muito mais inclinado a fazer isso algum tempo depois da eleição”, afirmou aos jornalistas.