Esta quinta-feira começaram os testes para o sistema operativo iOS, da Apple (o dos  iPhone), da app de rastreio portuguesa para a Covid-19, a Stayaway Covid. Ao Observador, Francisco Maia, da Keyruptive, uma das empresas responsáveis pelo projeto ligada ao INESC TEC, afirma que o teste não tem ainda data de conclusão. Este é o último passo necessário para a aplicação ser disponibilizada em território nacional.

Na quarta-feira, entrou em vigor o decreto-lei que viabiliza esta solução tecnológica para ajudar a conter a pandemia em Portugal. Depois de ter sido anunciada para maio, junho, julho e início de agosto, pode ser desta que a aplicação vai passar a ser disponibilizada. Os testes desta app para o sistema operativo Android, da Google, terminaram a 7 de agosto, período que previamente tinha sido estendido por uma semana, e permitiu corrigir problemas quanto aos dados recolhidos pela app e melhoria da interface.

A lei está publicada, mas quando é que a Stayaway Covid é lançada? As certezas e as dúvidas sobre a app de rastreio portuguesa

A 5 de agosto, o presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), Luís Goes Pinheiro, referia que a app estava disponível no projeto piloto — que acabou a 7 de agosto — para utilizadores de Android, mas não para quem tem sistemas operativos iOS. “Para que esta aplicação esteja disponível para todos os residentes em Portugal é necessário que seja disponibilizada em projeto piloto na loja da Apple, neste momento está disponível para teste em Android”, frisou o responsável dos SPMS. Após a conclusão deste teste, a aplicação deverá ser lançada.

É desta? 4 respostas para entender em que ponto está a app de rastreio à Covid-19

O decreto-lei publicado na terça-feira em Diário da República estabelece que a DGS é a responsável pela gestão e tratamento dos dados da aplicação de rastreio de contactos e que o tratamento de dados para funcionamento do sistema “é excecional e transitório”, mantendo-se “apenas enquanto a situação epidemiológica provocada pela Covid-19 o justificar”.