Rúben Amorim está infetado com Covid-19. O treinador do Sporting também testou positivo depois da ronda de testes realizada na sequência do casos detetados nos últimos dias. Assim sendo, são já 10 os casos de Covid-19 no Sporting: oito são jogadores, o nono é Rúben Amorim e o décimo é João Pedro Araújo, o diretor clínico do clube, confirmou o Observador. Entretanto, também Rui Almeida, treinador do Gil Vicente, testou positivo.

Na conferência de imprensa das autoridades de saúde desta quarta-feira, Graça Freitas garantiu que tudo está a ser feito para evitar o adiamento do jogo entre o Sporting e o Gil Vicente, no próximo sábado — sendo que é já certo que nenhuma das equipas terão o respetivo treinador no banco de suplentes, já que ambos estão infetados. “Se houver é um adiamento do jogo, não é parar a Primeira Liga, os outros jogos continuarão a realizar-se”, explicou a diretora-geral da Saúde, garantindo depois que a situação está a ser acompanhada de perto.

No Sporting, Borja, Nuno Santos e Rodrigo Fernandes foram os primeiros a testar positivo, ainda no sábado; Renan e Gonçalo Inácio souberam na manhã de domingo e os restantes, Pedro Gonçalves e Luís Maximiano, deram positivo na tarde de domingo depois de terem testado inconclusivo anteriormente. Entretanto, João Pedro Araújo também está infetado e Rúben Amorim e um oitavo jogador, cuja identidade ainda não é conhecida, testaram positivo depois da nova ronda de testes realizada esta terça-feira. Fonte do Sporting disse ao Observador que o surto poderá estar relacionado com o regresso às aulas dos filhos dos jogadores — que terão sido infetados nas escolas e nos colégios e depois contagiado os pais –, ainda que a maioria dos atletas infetados não tenha filhos e já tivessem existido suspeitas de casos na equipa B anteriormente.

Sporting tem sete jogadores positivos, Gil Vicente tem um total de 15: jogo de sábado deve ser adiado

Entretanto, e para fugir ao surto, a comitiva dirigiu-se esta quarta-feira para Lagos, no Algarve, onde vai permanecer em estágio até sábado, dia em que ainda está marcado o encontro da jornada inaugural da Primeira Liga com o Gil Vicente — que tem, por sua vez, 15 casos entre plantel e staff. Durante estes dias, a ala profissional da Academia será totalmente limpa e desinfetada. O Observador sabe que o Sporting pediu às autoridades de saúde uma estimativa do tempo que vai demorar a revisão do quadro de quarentena previsto para as competições desportivas: algo que Pedro Proença disse que iria acontecer, na segunda-feira, depois da reunião com a DGS e o secretário de Estado da Saúde, e que prevê a redução do período de quarentena de um caso positivo de 14 para 10 dias. Isto porque os leões ainda têm a esperança de contar com algum dos infetados no jogo da próxima semana, em Alvalade, a contar para a terceira pré-eliminatória da Liga Europa e contra o Viking ou o Aberdeen. Se o quadro de quarentena for revisto até lá e com dois testes negativos, um na véspera e outro no dia do jogo, o Sporting poderia ainda contar com os jogadores que testaram positivo.

Os leões foram esta terça-feira submetidos a novos testes depois dos casos positivos dos últimos dias para averiguar se o plantel está apto para disputar o jogo de sábado, da primeira jornada da Primeira Liga, contra o Gil Vicente. Este domingo e depois dos três testes positivos iniciais, os responsáveis leoninos contactaram a DGS e aguardaram indicações para saber os passos seguintes. E havia dois exemplos concretos que podiam explicar os cenários possíveis: no Ac. Viseu-Académica, e após terem sido detetados três casos entre jogadores viseenses, as autoridades de saúde regionais consideraram que, até pelo contexto de transmissão comunitária ativa no concelho, não deveria haver jogo; no Feirense-Desp. Chaves, antes de se saber que o plantel dos transmontanos tinha feito um jantar conjunto na noite de quarta-feira, a indicação inicial passava por não haver obstáculos à realização do encontro apesar dos quatro testes positivos entre os flavienses, algo que mudaria mais tarde e que levou também ao cancelamento do encontro.

“Confirmamos que nos últimos testes feitos [ontem, sábado], três jogadores acusaram positivo à Covid-19. A identidade dos jogadores não será divulgada. Os mesmos encontram-se em isolamento e completamente assintomáticos. O protocolo estabelece como regra base 14 dias de isolamento, durante o qual, e a exemplo do que aconteceu durante o confinamento obrigatório, o Sporting Clube de Portugal lhe dará todo o acompanhamento necessário. Foram hoje feitos novos testes a toda a equipa e a todo o staff“, confirmou o Sporting em comunicado, ainda este domingo.

Campeonato vai começar, quarentena vai ser revista, não há público até dia 2: as cinco perguntas (e respostas) da reunião da Liga com a DGS

O Observador sabe que, pelo menos numa ocasião nesta pré-temporada, já foi feita uma chama de atenção aos jogadores que para que evitem a todo o custo qualquer tipo de comportamento de risco, no seguimento de uma festa de aniversário. Também os testes positivos de Battaglia e Vietto no regresso aos trabalhos, depois de terem passado férias em Espanha, não tinham caído bem na estrutura verde e branca. No final de abril, o Sporting tinha revelado em comunicado que “se verificou um teste positivo para IgG (Imoglobulina G – Anticorpo) com IgM negativa, que indica provável imunidade adquirida desse atleta”, sem revelar a sua identidade.

Agora, permanece ainda a dúvida em relação ao primeiro jogo do Campeonato, no próximo sábado, em Alvalade, frente ao Gil Vicente. De recordar que os minhotos também cancelaram na semana passada um jogo-treino com o V. Guimarães, mais concretamente na sexta-feira, por terem sido detetados quatro casos positivos (um entre os jogadores, três em técnicos). Este domingo, soube-se que esse valor subiu de quatro para 15, com a nova ronda de testes feita entre o plantel (jogadores, técnicos e elementos do staff).