A GNR interrompeu na quarta-feira a celebração de um casamento no concelho alentejano de Moura, com cerca de 300 pessoas, e que violava normas em vigor devido à pandemia de Covid-19, foi esta quinta-feira anunciado.

Em comunicado, a GNR explica que interrompeu a celebração do casamento porque “violava” normas da resolução do Conselho de Ministros que entrou em vigor na terça-feira e declarou a situação de contingência em Portugal continental devido à Covid-19.

Segundo a GNR, militares do Destacamento Territorial de Moura tiveram conhecimento de que iria realizar-se naquele concelho do distrito de Beja um casamento que “violava” normas resolução, apuraram que não tinha sido solicitado parecer à autoridade de saúde para a realização da celebração e depois deslocaram-se ao local do evento, onde confirmaram a presença de cerca de 300 pessoas.

A intervenção dos militares, que decorreu sem registo de qualquer tipo de incidente, resultou na interrupção da celebração do casamento e depois foram apenas autorizados a permanecer no local os cidadãos residentes, explica a GNR, referindo que remeteu os factos para o Tribunal Judicial de Moura.

De acordo com a resolução do Conselho de Ministros, não é permitida a realização de celebrações e de outros eventos que impliquem uma aglomeração de pessoas em número superior a dez, salvo se pertencerem ao mesmo agregado familiar, e cabe à Direção-Geral da Saúde (DGS) definir as orientações específicas para vários tipos de eventos, como os de natureza familiar, incluindo casamentos.

Recorde-se que no final de agosto, a GNR havia confirmado a interrupção de um casamento também com cerca de 300 pessoas naquele concelho.

Moura. GNR dispersa convidados em casamento com 300 pessoas