A Toyota iniciou a campanha de teasers que, normalmente, antecede o lançamento de novos modelos. Neste caso em concreto, a segunda geração do Mirai, veículo de extrema importância para a marca não pelo volume de vendas que representa, mas sim por se tratar de uma espécie de montra tecnológica da marca japonesa no que diz respeito às células de combustível (fuel cells – FC) a hidrogénio.

Anuncia o fabricante que o novo Mirai vai ser revelado em Dezembro, no Japão, país onde a apresentação da berlina eléctrica justifica a abertura de um concurso para habilitar 32 locais a dar uma voltinha no novo modelo e a constatar, na primeira pessoa, as novidades trazidas por esta segunda geração, acerca da qual pouco se sabe. Excepto que passa a ser tracção traseira e promete um incremento de 30% na autonomia, superando os 630 km.

Novo Mirai a hidrogénio é surpreendente

Mas a expectativa é grande, pois o concept que antecipou o novo modelo suscitou grande aceitação por parte do público. Isto porque o Mirai Concept revelado no Salão Automóvel de Tóquio de 2019 configurava um forte “abanão” estilístico face ao antigo Mirai. Em vez de linhas fortemente vincadas, os estilistas concentraram-se em suavizar o traço e capitalizaram o facto de o novo modelo ser mais comprido, mais largo e mais baixo. O resultado é uma imagem mais dinâmica, mais moderna e mais consentânea com os padrões estéticos europeus.

A isso acresce a curiosidade em torno da evolução das FC que, conforme a Toyota revelou ao Observador, se encaminham para uma maior eficiência e um custo inferior. Como tal, espera-se que o consumidor venha a beneficiar disso nesta segunda geração do Mirai.

Em Dezembro, ao que nos disse fonte da marca, a nova geração vai trazer “boas notícias”. Nessa altura deveremos ver esclarecida qual será a potência do motor eléctrico, da FC e da pequena bateria de iões de lítio que alimenta o Mirai nas fases em que a célula de hidrogénio ainda não está em funcionamento. O preço será igualmente determinante, mas este tipo de proposta terá de lidar ainda com as limitações da infra-estrutura de abastecimento de hidrogénio, o que só por si condiciona o interesse de hipotéticos compradores.

Segundo o Observador apurou, a câmara de Vila Nova de Gaia vai abrir nos próximos dias um concurso público para a criação do primeiro posto de produção e abastecimento de hidrogénio veicular, próximo do local onde a Caetano Bus fabrica os autocarros a fuel cell de hidrogénio que exporta para alguns países europeus, esperando-se depois que este tipo de posto se alargue a outros locais do território nacional.