Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A divisão de veículos pesados da Daimler continua apostada em propor às empresas fãs das suas marcas de camiões, seja ela Mercedes ou Freighliner, modelos que possam circular sem recorrer a condutor. E não se trata de um luxo ou de uma profunda paixão por tecnologias de ponta, uma vez que o objectivo é retirar da equação o funcionário que habitualmente vai ao volante, poupando consideravelmente no processo.

São vários os construtores que têm investido verbas colossais na tentativa de desenvolver sistemas próprios de condução autónoma, que depois se adaptarão facilmente a veículos pesados ou ligeiros. Mas, face à complexidade, muitos mais foram os fabricantes que desistiram dos projectos e optaram por adquirir uma solução chave na mão a uma empresa especializada. Entre estas, é a Google que lidera, através da sua divisão Waymo.

A Daimler, consciente de que os clientes estão cada vez mais à procura de camiões eléctricos e autónomos, já enriqueceu a sua gama à venda nos EUA com os Freighliner Cascadia alimentados exclusivamente a bateria, com modelos com diversas tonelagens e até semi-reboques. A novidade é que decidiu passar a oferecer, em breve, estes mesmos veículos destinados ao transporte de carga, mas autónomos.

Para tal, o grupo alemão chegou a acordo com a Waymo, de forma a adquirir a tecnologia SAE L4. Além de comprar a tecnologia à divisão de condução autónoma da Google, a Daimler vai participar no desenvolvimento do sistema da Waymo destinado a veículos pesados. Tudo para, nos próximos anos, estar em condições de comercializar versões do Cascadia que não necessitam de condutor.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Como líderes na indústria de pesados, temos de ser pioneiros na condução autónoma destes veículos e a parceria com a Waymo vai-nos permitir caminhar nessa direcção”, declarou o responsável pela divisão de pesados da Daimler e membro da administração da Daimler AG, Martin Daum. A esta confiança demonstrada pela Daimler no potencial da Waymo, respondeu a empresa americana, através do seu CEO John Krafcik: “Temos a melhor opinião da engenharia da Daimler neste segmento do mercado, pelo que aceitamos o desafio de adaptar o nosso Waymo Driver aos veículos pesados.”

De recordar que este sistema de condução autónoma da Waymo já percorreu mais de 32 milhões de quilómetros em vias públicas em 25 cidades americanas e mais de 24 mil milhões de quilómetros em simulador. Veja aqui como funciona o Waymo Driver em veículos ligeiros, tal como foi testado pela The Verge: