Há cerca de uma semana foi detetado um caso positivo do novo coronavírus no Lar Bella Persona Senior Residence, em Rio de Mouro, no concelho de Sintra. O utente terá testado positivo no passado dia 25 de novembro, depois de uma deslocação ao hospital e, uma semana depois, os restantes utentes do lar ainda não foram testados, desconhecendo-se se se está perante um surto.

A Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Sintra reconhece o atraso, justificando-o com o facto de existirem vários surtos em instituições do concelho. Recorde-se que durante a primeira vaga da pandemia, um surto de Covid-19 provocou sete mortes neste mesmo lar.

Num e-mail enviado esta terça-feira aos familiares, ao qual o Observador teve acesso, a direção do lar voltava a afirmar que continuava “a aguardar a receção das requisições para efeitos de imediato agendamento dos testes PCR’s” e que, “apesar da estabilidade” dos utentes, iria “continuar a insistir a sua imediata realização”.

Questionada esta quarta-feira pelo Observador, a Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Sintra afirmou que a Autoridade de Saúde Local está a acompanhar a situação e que os utentes do lar serão testados na quinta-feira. Reconhecendo que há uma demora entre o contacto da instituição e a realização dos testes, a Unidade de Saúde Pública aponta para o “facto de existirem vários surtos em lares do concelho”.

Os principais motivos para essa décalage estão relacionados com o facto de existirem vários surtos em lares do concelho de Sintra, bem como alguns constrangimentos na obtenção dos dados das pessoas a testar”, afirma.

O Observador contactou esta quarta-feira o lar para obter mais esclarecimentos, mas sem sucesso, por não estar presente o responsável.

O Lar Bella Persona registou um surto do novo coronavírus durante a primeira vaga da pandemia no país. No início de maio, foram registados 60 casos positivos, dos quais 43 utentes e 17 profissionais. Sete utentes morreram.