Ao fim de 20 dias depois da imposição do uso de máscaras, o número de novos caso de infeção com o SARS-CoV-2 caiu 47% em várias regiões alemãs. A conclusão é de uma equipa de economistas de três universidades alemãs e uma dinamarquesa e foi publicada na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (PNAS).

Os investigadores compararam a evolução do número de casos em diferentes regiões alemãs que implementaram o uso obrigatório de máscaras nas lojas e transportes públicos em momentos diferentes. “Dependendo da região que considerámos, verificámos que o uso de máscaras reduzia o número de novos casos de infeção com SARS-CoV-2 entre 15 e 75%, num período de 20 dias depois de se tornarem obrigatórias”, explicaram os autores.

Como os custos económicos são próximos de zero, quando comparados com outras medidas de saúde pública, as máscaras parecem ser uma forma custo-efetiva de combater a Covid-19″, escrevem os autores no artigo.

A equipa de Klaus Wälde, professor na Escola de Administração e Economia da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz, também garante que conseguiu distinguir o efeito causado pelo uso obrigatório de máscaras quando comparado com outras medidas preventivas implementadas.

O uso de máscaras pelos profissionais de saúde, ou mesmo durante as epidemias de SARS ou gripe, já haviam demonstrado que tinham um impacto positivo na prevenção da transmissão de vírus, mas os estudos sobre o efeito do uso em espaços públicos durante a pandemia de Covid-19 ainda são poucos.

Máscaras em Jena e uma redução de 75% dos novos casos

Os investigadores começaram por analisar a cidade de Jena, uma cidade universitária no estado da Turíngia, que impôs o uso de máscara a 6 de abril. Depois, comparam-na com uma cidade equivalente — com uma incidência de casos antes da aplicação das medidas, composição demográfica e sistema de saúde semelhantes —, mas que não implementou o uso obrigatório de máscaras no mesmo momento.

Ao fim de 20 dias, o número de novos casos em Jena tinha caído 75%. “De uma forma simples, se a região controlo [sem uso de máscara] tivesse 100 novos casos de infeção num período de 20 dias, a região com máscara [neste caso, Jena] só registava 25”, escrevem os autores.

“Esta queda é maior, ultrapassando os 90%, para a faixa etária acima dos 60 anos”, acrescentam os autores do artigo.

Depois de Jena, os investigadores compararam as regiões que impuseram o uso de máscara antes de outras regiões pertencentes ao mesmo estado e estados que a tornaram obrigatória antes do estado federal o impor em todo o país (entre 20 e 29 de abril).

Há fatores que podem ter feito com que Jena tivesse a maior quebra no número de novos casos: como foi a primeira região a implementar a medidas, os cidadãos levaram as restantes medidas também de forma mais séria; e, nas restantes regiões, as pessoas podem ter começado a usar regularmente máscara mesmo antes de ser obrigatório. Mas sobre um aspeto os investigadores parecem não ter dúvidas, nas grandes cidades o efeito do uso obrigatório de máscaras na diminuição do número de novos casos foi significativo.