Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Wayne Rooney terminou a carreira e vai assumir de forma efetiva o comando técnico do Derby County. O jogador de 35 anos, que desde novembro era o treinador interino do clube depois da saída de Phillip Cocu, vai agora ter o primeiro desafio enquanto técnico e já confirmou o fim de um percurso que começou em 2002 e passou por Everton, Manchester United, DC United e Derby County.

“Estamos encantados por confirmar que Wayne Rooney é o nosso novo treinador. A nossa melhoria recente de resultados, sob o comando do Wayne, encaixou com algumas exibições positivas, principalmente a vitória caseira por 2-0 contra o Swansea e a vitória por 4-0 em Birmingham. Durante esses nove jogos, também melhorámos dramaticamente o nosso registo defensivo e registámos cinco partidas sem sofrer golos, enquanto que nos tornámos mais eficazes e letais no ataque também. Esses princípios básicos deram ao clube uma plataforma sobre a qual construir na segunda metade da temporada, sob a liderança do Wayne”, pode ler-se no comunicado do Derby County, que está atualmente no antepenúltimo lugar do Championship, o segundo escalão do futebol inglês.

Na mesma nota, o antigo internacional inglês, que assinou um contrato válido por dois anos e meio, garantiu que teve outras propostas quando deixou os Estados Unidos mas escolheu o Derby County. “Quando voltei ao Reino Unido, fiquei completamente surpreendido pelo potencial do Derby County. O estádio, o centro de treinos, a qualidade do staff e os jovens jogadores que estavam aparecer. E claro, os adeptos, que se mantêm leais e a apoiar. Mesmo com outras propostas, soube instintivamente que o Derby County era o lugar para mim”, explicou Rooney, recordando em seguida alguns dos treinadores mais conhecidos do clube, como Brian Clough ou Frank Lampard.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Ter a oportunidade de seguir os passos de Brian Clough, Jim Smith, Frank Lampard e Phillip Cocu é uma grande honra e posso prometer a todos os envolvidos no clube, a todos os nossos adeptos, à minha equipa e a mim próprio que não vou descansar até alcançar o potencial que testemunhei ao longo dos últimos 12 meses neste histórico clube de futebol”, completou o agora treinador, que se estreia a solo já este sábado, em casa, contra o Rotherham.

Wayne Rooney estreou-se profissionalmente em 2002, com apenas 17 anos, e foi no Everton — o clube local e do coração — que começou a dar nas vistas. Ao longo de duas temporadas, marcou 17 golos e tornou-se um titular quase indiscutível da equipa de Liverpool, garantindo a transferência para o Manchester United em 2004 e tornando-se o adolescente mais caro de sempre. Em Old Trafford, passou 13 anos, marcou 253 golos e tornou-se o melhor marcador da história do clube, superando o recorde Bobby Charlton que durava há décadas. Como avançado, braço direito de Alex Ferguson, colega de equipa de Rio Ferdinand, Cristiano Ronaldo e Ryan Giggs, Rooney foi ficando enquanto os restantes acabavam as carreiras ou seguiam para outras paragens. Conquistou cinco vezes a Premier League, ganhou uma Liga dos Campeões, tornou-se capitão, viu Ferguson sair e ainda ajudou Mourinho a vencer a Liga Europa e em 2017 decidiu encerrar um ciclo e regressar às origens.

Passou apenas uma temporada no Everton, em que fez 40 jogos e marcou 11 golos, e em 2018 decidiu rumar aos Estados Unidos. Assinou pelo DC United e passou dois anos em Washington. Até que, em 2019, anunciou que iria regressar ao Reino Unido. Escolheu o Derby County, sem qualquer desprimor pelo Championship, foi imediatamente feito capitão e marcou seis golos na época de estreia. Em 2020/21, no final de novembro, integrou então uma equipa de quatro treinadores que iria assumir interinamente o comando técnico depois da saída de Phillip Cocu — sem deixar de jogar. Dias depois, o clube anunciou que a equipa seria desmantelada e que Rooney seria, sozinho, o treinador interino. O desafio tornou-se efetivo esta sexta-feira, com o avançado inglês a terminar a carreira aos 35 anos e depois de ter marcado um golo ao longo das 11 partidas que ainda disputou esta época. Despede-se como uma lenda do Everton, uma lenda do Manchester United, um herói para o Derby County, o segundo melhor marcador da história da Premier League, apenas atrás de Alan Shearer, e o melhor marcador da história da seleção inglesa.