Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nem tudo foi perfeito para o Sporting no clássico frente ao FC Porto no Dragão, sobretudo em termos ofensivos. Não foi e valeu mesmo um registo negativo na presente temporada: ao intervalo, os leões não tinham feito sequer um remate enquadrado com a baliza; no final dos 90 minutos, mantiveram esse registo. Entre as quatro tentativas feitas, uma na única oportunidade flagrante com Matheus Nunes isolado na área, nenhuma levou a baliza dos azuis e brancos, com Marchesín a ser pouco mais do que um espectador ao longo da partida. No entanto, foi também por aí que a equipa de Rúben Amorim escreveu uma série de registos históricos no presente Campeonato.

A chama de Otávio e a faísca de Matheus numa noite que não teve fogo de artifício (a crónica do FC Porto-Sporting)

No sexto encontro com FC Porto, Benfica e Sp. Braga feito esta época, o Sporting ainda não perdeu, levando quatro vitórias e dois empates, ambos diante dos azuis e brancos e no Campeonato (a que se juntou o triunfo nas meias-finais da Taça da Liga), com um saldo de oito golos marcados e apenas três consentidos. Segundo os dados feitos pelo Playmakerstats, há 51 anos que os leões não conseguiam uma série destas e há cinco épocas que não ficavam invictos quatro ou mais partidas frente aos azuis e brancos e aos encarnados, podendo igualar esse registo máximo do clube no último encontro fora do Campeonato, quando se deslocar ao Estádio da Luz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para isso, a defesa voltou a ser providencial, secando pela primeira vez o FC Porto em casa num jogo a contar para o Campeonato nos últimos 55 encontros (o último nulo tinha sido em dezembro de 2017). Com mais uma partida em branco, os leões seguem com apenas dez golos sofridos em 21 jogos, naquela que é a segunda melhor defesa de sempre do clube à 21.ª jornada – a melhor média foi conseguida na época de 2006/07, com 15 golos consentidos em 30 encontros do Campeonato. Ao todo, na presente temporada, o Sporting não sofreu golos em quase 60% dos jogos, saindo sem golos sofridos em 17 das 29 partidas realizadas (mais uma do que em 2019/20).

Em paralelo, o conjunto de Alvalade igualou aquele que é o maior registo de invencibilidade seguida numa só edição do Campeonato, 21 jogos, apresentando um registo ainda melhor do que em 1981/82, quando a equipa do inglês Malcolm Allison que tinha o famoso tridente ofensivo composto por Oliveira, Jordão e Manuel Fernandes chegou à 21.ª ronda com 15 vitórias e seis empates, com 47 golos marcados e 16 sofridos. Agora, os leões seguem com 17 vitórias e apenas quatro empates, tendo menos cinco golos a favor mas menos seis contra.

Na próxima jornada, os comandados de Rúben Amorim recebem em Alvalade o Santa Clara e, em caso de vitória (ou até mesmo de empate, neste particular), não só reforça a candidatura ao primeiro lugar no final da temporada como consegue um novo registo histórico de invencibilidade, superando a equipa de 1981/82 que foi campeã.