Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O clássico entre FC Porto e Sporting no Dragão teve alguns momentos de maior tensão entre os jogadores e não se resumiu apenas às quatro linhas, com alguns despiques nas redes sociais sobre incidências que decorreram durante e depois do encontro logo na noite de sábado e que tiveram prolongamento este domingo.

A chama de Otávio e a faísca de Matheus numa noite que não teve fogo de artifício (a crónica do FC Porto-Sporting)

Já depois de Ristovski, antigo lateral dos leões vendido ao Dínamo Zagreb, ter colocado a frase “Não te estava a reconhecer, Zidane” numa storie do Instagram com um meme de Sérgio Oliveira, que referiu na flash interview que um empate no Dragão era uma Champions para o Sporting, Feddal recorreu também às redes sociais com uma imagem da discussão que teve com Pepe e que valeu um amarelo a ambos. “Sempre tentamos vencer, seguimos o nosso caminho…  Sexta-feira há mais…”, escreveu, com emoji de uma cara a fechar a boca, após um lance em que foi bem audível o diálogo acalorado entre os centrais após falta de marroquino sobre Mbemba.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este domingo, Pedro Porro apontou também o dedo a Francisco Conceição, comentando um vídeo no final do jogo onde o jovem extremo portista se recusou a cumprimentar o lateral leonino. “Entendo que pudesse estar com a cabeça quente, tal como eu durante o jogo, mas quando o árbitro apita tens que ter valores e respeitar o adversário e chamar-me filho da p*** não creio que seja o melhor. Está tudo bem sportinguistas. Seguimos”, escreveu o jogador espanhol, que pouco ou nada se cruzou em campo com o esquerdino, no Twitter.

Na resposta, Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, apontou a mira a Pedro Porro e ao que se passou durante o encontro. “Quem semeia ventos… Passam os jogos a provocar, a mandar bocas, e depois querem fazer de conta que são meninos bonitos”, comentou o responsável portista, que já antes tinha criticado o pouco tempo útil de jogo no clássico: “Ontem à noite só houve meio jogo. 46’45’’ de tempo morto, de tempo em que não se jogou. Em Portugal não se quer jogar e depois qualquer equipa de meia tigela faz gato sapato das equipas portuguesas nas competições da UEFA. Bem, de todas não, há uma que quer sempre jogar”.