Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Alguns aceleraram logo na corrida, outros nem chegaram a entrar em pista. No final, só um podia cortar a meta em primeiro — falta saber quanto valerá o prémio em cima da mesa, e as eventuais consequências de uma vitória (que poderá arriscar também o sabor da derrota). Na próxima segunda-feira, a partir das 20h00 locais (mesma hora em Portugal continental), a ITV1 assegura os direitos de transmissão da aguardada entrevista de Harry e Meghan a Oprah Winfrey — e muito provavelmente uma generosa audiência. Menos de um dia depois do formato ir para o ar nos EUA, via CBS, as cerca de duas horas de conversa chegam por fim ao reino de sua majestade, com a polémica a adiantar-se no terreno.

“Deplorável” ou “extremamente insensível” são alguns dos adjetivos usados para classificar a aposta daquele canal, que terá pagado um milhão de libras (cerca de 1,157 milhões de euros) para garantir o disputado conteúdo, o mesmo que, a avaliar por algumas vozes mais críticas, poderá “detonar uma bomba diplomática“. Segundo os meios britânicos, a rede ITV, concorrente da BBC desde 1955, terá levado a melhor à SKY News, enquanto a histórica emissora pública britânica se recusou a transmitir “Oprah with Meghan and Harry: A Primetime Special”, e mantém outros planos para domingo, que também envolvem o clã real. A 24 de fevereiro, o The Telegrah confirmava que a estação “não iria puxar do livro de cheques” (que é como quem diz o dinheiro dos contribuintes) para assegurar o programa.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.