Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

São situações que se repetem quase diariamente nos últimos tempos, depois de Joe Biden ter garantido que nenhuma criança em situação ilegal, desacompanhada, nos Estados Unidos, seria deportada para o país de origem. O mais recente, gravado em vídeo, dá conta de uma criança de 10 anos, da Nicarágua, que pede ajuda a um polícia fronteiriço com o qual se cruzou. O menino, sozinho e em lágrimas, diz que “vinha com um grupo” que o “deixou para trás, sozinho” no vale do Río Grande.

Questionado pelo agente sobre se os pais estavam nesse grupo, a criança diz que não. Sem qualquer mochila ou sinais de que tivesse acesso a água e alimentação, a criança foi acolhida pelas forças policiais e o caso exposto nas redes sociais.

Há cerca de uma semana a mesma polícia revelou um vídeo de câmaras de vigilância onde é possível ver duas pessoas a deixar cair duas crianças por cima da vedação com mais de quatro metros de altura. O momento aconteceu durante a noite e as duas meninas de três e cinco anos não sofreram quaisquer lesões na sequência da queda de uma altura tão significativa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já nesta segunda-feira, a patrulha fronteiriça resgatou dois irmãos, de cinco e seis anos, que foram abandonados na fronteira entre os Estados Unidos e o México apenas com o número de telefone da mãe escrito nos braços.

Só durante o mês de março na fronteira dos Estados Unidos com o México as autoridades encontraram 171.100 imigrantes ilegais que tentavam entrar no país para pedir asilo. Um número recorde que só encontra paralelo com a situação vivida em 2006. Sem ímpar são os números relativos a crianças desacompanhadas, com 18.800 dos imigrantes ilegais a serem menores de idade que chegaram sem qualquer acompanhamento parental.

Há vários relatos e imagens de centros de acolhimento destas crianças e jovens sobrelotados, sem garantias de espaço numa altura em que o mundo enfrenta a pandemia da Covid-19.