Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sérgio Conceição apostou numa nova dupla de avançados, Evanilson fez um bom jogo e Toni Martínez voltou a marcar – com a particularidade de levar três golos em quatro remates enquadrados na Liga. Sérgio Conceição quis refrescar o ataque e lançou Taremi – e assim fechou o encontro, passando a ser a primeira equipa com dois jogadores com dez ou mais golos no Campeonato e também a equipa com mais golos saídos do banco. Se o FC Porto teve o mérito de dominar do início ao fim em Tondela, as opções do técnico dos azuis e brancos foram também resultando em pleno e desta vez foram mesmo os avançados que materializaram a superioridade.

Não interessa se é o António, o Manel ou o Joaquim desde que esteja o Pepe (a crónica do Tondela-FC Porto)

Com isso, o FC Porto prolongou aquela que é a segunda maior série de vitórias seguidas da Liga, cinco, marcando sempre dois golos em cada um desses encontros (Gil Vicente, P. Ferreira, Portimonense, Santa Clara e Tondela) e conseguindo assim ficar à condição no segundo lugar apenas a cinco pontos do líder Sporting, que recebe apenas este domingo o Famalicão em Alvalade. Missão cumprida entre os quartos da Champions, com Sérgio Conceição a assumir que todos os objetivos foram concretizados antes da segunda mão frente ao Chelsea.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Houve um jogo interior bom da nossa parte, exterior também e a profundidade quando foi necessária. O primeiro golo apareceu exatamente depois de alguma preparação e de percebermos que não havia espaço por dentro nem nos corredores: o Toni [Martínez] solicita um passe fantástico do Pepe. Acho que, em todos os momentos, no que preparámos do jogo, estivemos competentes. Na segunda parte, houve uma reação natural do Tondela mas tivemos sempre o jogo controlado”, destacou na zona de entrevistas rápidas da Sport TV.

Foi um jogo bom da nossa parte, a meio de uma eliminatória importante e desgastante, com viagens e com um desgaste normal e natural de uns quartos da Liga dos Campeões. Por isso tentei também na frente dar alguma frescura à equipa e não foi a pensar no Chelsea, foi a pensar neste jogo. Precisávamos de gente que fizesse aquilo que muitas vezes o Evanilson e o Toni fizeram quando tínhamos a bola e, quando não a tínhamos, a cumprir o que pedi”, explicou.

“O Sérgio Oliveira teve um problema muscular e era arriscado jogar de início. Sabia que podia utilizá-lo algum tempo, não muito. Ainda não está totalmente recuperado. Está bem, estava bem para jogo, mas temos de ter atenção porque tem jogado muito esta época. Estávamos conscientes que não seria a melhor opção metê-lo a jogar de início. Os outros jogaram com mérito, temos um grupo forte e competitivo. Estamos a oito pontos do rival, agora a cinco sem que o Sporting tenha jogado, mas olhamos para todos os jogos do campeonato como finais e daí a minha confiança em toda a gente. Equipa para o Chelsea? Como fiz hoje, olhar para a estratégia e escolher os melhores para o jogo, sempre com o pensamento de dar o melhor à equipa”, concluiu.