Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O facto de ter havido um Campeonato da Europa apenas há seis meses em Praga acabou também por mexer na lista de atletas inscritos para o Europeu de Lisboa, mesmo sendo ainda uma prova a contar para a qualificação para os Jogos Olímpicos. No entanto, não foi assim em todas as categorias e os -81kg foram um dos exemplos disso mesmo. Era também aí que entrava Anri Egutidze, um outsider que se tornou figura principal.

O luso-georgiano de 25 anos, que entrava neste Europeu como 21.º do ranking, começou por afastar por ippon o italiano Antonio Esposito, campeão mundial de juniores em 203 e 29.º na hierarquia da categoria, vencendo depois o russo Khasan Khalmurzaev, campeão olímpico no Rio de Janeiro e 15.º do ranking. Anri Egutidze já tinha passado a primeira grande barreira mas não ficaria por aí, acedendo às meias-finais depois de um triunfo com o israelita Sagi Muki, campeão mundial em título e segundo do ranking, por terceira penalização.

Na meia-final, o judoca nacional acabou por sofrer a primeira derrota contra o turco Vedat Albayrak, terceiro melhor do mundo em -81kg, por ippon, encontrando depois na atribuição da medalha de bronze o italiano Christian Parlati, 12.º do ranking – ou seja, o quarto atleta com um registo melhor. E depois de ter recuperado de dois castigados, levando o transalpino a outras penalizações, acabou por perder no golden score por ippon, acabando este Campeonato da Europa na quinta posição depois da medalha de bronze de Bárbara Timo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR