Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A resolução fundamentada do Governo em resposta à providência cautelar que suspende a requisição civil no Zmar, em Odemira, já foi entregue. O Governo alega que não havia alternativas viáveis.

Zmar. Requisição civil não está suspensa até Governo ser citado (o que ainda não aconteceu). Mas tribunal já emitiu notificação

Na resposta, que foi conhecida esta terça-feira, o Governo explica que “determinou desde logo e em primeira linha a utilização das instalações da Pousada da Juventude de Almograve, empreendimento público”. E acrescenta: “Contudo, esta infraestrutura pública [era] insuficiente para acolher o número de trabalhadores que careciam de alojamento”.

Odemira. Cerca de 50 imigrantes realojados na madrugada no Zmar e na Pousada da Juventude. Aparato policial criticado

A escolha do empreendimento turístico Zmar Eco Experience “revelou-se a única opção viável para esse efeito por três ordens de razão”, lê-se na resposta partilhada pela RTP:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

  • a proximidade geográfica com os surtos evidenciados;
  • a localização dentro da área geográfica objeto da cerca sanitária;
  • e, sobretudo, o número de alojamentos concretamente disponíveis, porque não habitados e/ou não ocupados.

“Eu não quero viver aqui”. Sem forma de sair e com uma bebé nos braços, Sandeep Kaur está perdida no Zmar

Para o primeiro-ministro, António Costa, e o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que assinam a resolução, o espaço do Zmar permitira organizar uma “operação de grande envergadura logística com o mínimo de constrangimentos operacionais e transtorno para os trabalhadores a realojar”, quer pela quantidade de alojamentos disponíveis no espaço, quer pela proximidade ao local de trabalho.

Acresce que, na ponderação à data realizada sobre eventuais alternativas, as autoridades concluíram pela inexistência de outros complexos hoteleiros, ou outras alternativas habitacionais que, nas freguesias em questão, pudessem acomodar a necessidade urgente de alojamento daqueles trabalhadores dentro do perímetro definido para a cerca sanitária, evitando-se assim deslocações de trabalhadores para fora desse território”, lê-se na resposta à providência cautelar.

O Governo diz ainda que só avançou para a requisição civil do espaço porque a sociedade gestora do Zmar Eco Experience “manifestou oposição a qualquer acordo que titulasse a ocupação parcial das suas estruturas para os referidos efeitos”, valendo-se assim da declaração da situação de calamidade para impor a sua decisão. O advogado dos moradores disse à rádio Observador que as negociações com o ministério da Administração Interna estavam em curso.

Zmar. “Estávamos a negociar com o governo e rebentam-nos os portões?”

Depois da requisição civil, e ainda antes de o Governo confirmar que tinha recebido a notificação do tribunal, os trabalhadores começaram a ser transferidos para outras instalações. Esta segunda-feira, ainda estavam no Zmar 12 imigrantes, mas estava previsto que abandonassem o espaço nesse dia, conforme apurou a rádio Observador.

Supremo Tribunal Administrativo aceitou providência cautelar no Zmar. Governo diz que ainda não foi notificado

Atualizado às 12h40