Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ceuta parece ter voltado à normalidade esta quinta-feira, após Marrocos ter retomado o controlo fronteiriço. Alguns migrantes ainda continuam a tentar entrar no enclave espanhol, mas a polícia marroquina tem conseguido manter a ordem junto à fronteira, de acordo com as últimas informações vindas do local.

Diplomaticamente, no entanto, a situação ganhou um novo destaque com a ministra da Defesa espanhola, Margarita Robles, a garantir que não vai “aceitar chantagens” e que a “integridade de Espanha não é negociável” – surgiu, também, o primeiro comentário público feito pela administração norte-americana.

Espanha adverte Marrocos que não vai “aceitar chantagens”

A ministra da Defesa espanhola, Margarita Robles, disse, em entrevista à rádio público espanhola (RNE), que vai “usar todos os meios necessários para garantir a integridade territorial e vigiar as fronteiras”. O que aconteceu esta semana é “muito sério”: “É uma agressão às fronteiras espanholas e da União Europeia”, reiterou a governante, acrescentando que “isso em direito internacional não é permitido”.

Margarita Robles espera, também, que Marrocos tenha “tirado conclusões” e destacou o aspeto humanitário, acusando Marrocos de “utilizar menores para atingir os seus fins, ignorando qualquer regra do direito internacional”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sobre as relações diplomáticas entre os dois países, Margarita Robles diz que Marrocos continua a ser um país “vizinho e amigo”, mas que tem de “reconsiderar o que fez”. Relativamente ao episódio que terá motivado este conflito – Espanha ter recebido o líder da Frente Polisário, Brahim Ghali, para lhe prestar cuidados médicos –, a ministra reforçou que foi por “motivos humanitárias” e que tal “está previsto no direito internacional”.

EUA esperam trabalho conjunto entre Marrocos e Espanha

Jalina Porter, porta-voz do Departamento do Estado dos EUA, não tomou partidos, mas disse esperar que “Espanha e Marrocos trabalhem juntos para uma resolução” da crise migratória. “De uma maneira geral, os Estados Unidos continuam a promover formas humanas, ordeiras e justas de migração através de um exercício diplomático multilateral”, acrescenta.

Estas declarações à imprensa surgem após Antony Blinken, Secretário de Estado, ter conversado ao telefone com o ministro dos Negócios Estrangeiros marroquino, Nasser Bourita. Na conversa, abordaram o conflito israelo-palestiniano e os EUA destacaram o “papel-chave” que Rabat tem na região para manter a estabilidade no Médio Oriente e no Norte de África.