Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Milhares de vítimas do escândalo dos implantes mamários defeituosos da empresa francesa Poly Implant Prothèse (PIP) vão receber indemnizações, após uma decisão de um tribunal superior de Paris esta quinta-feira, escreve o Le Monde. Os juízes confirmaram que a empresa alemã TUV Rheinland foi negligente ao certificar como seguros os implantes da empresa francesa, produzidos entre 2000 e 2010 — e que afinal eram feitos com uma mistura de silicone de uso industrial e agrícola.

No acórdão de 288 páginas, os juízes condenaram assim a TUV a pagar entre três mil e seis mil euros a cada uma das milhares de vítimas por danos morais e psicológicos, segundo o Le Monde. O valor exato a indemnizar a cada uma das vítimas será definido após realizadas perícias.

O caso foi levado à Justiça por cerca de 2.700 mulheres que disseram ter sofrido consequências de longo prazo na saúde depois de terem colocado implantes fabricados pela empresa francesa. Se for tomado o valor máximo (6 mil euros), as indemnizações podem superar os 16 milhões de euros. No entanto, segundo a Reuters, há cerca de 25 mil mulheres a avançar recentemente com processos judiciais contra a certificadora alemã, pelo que este número pode estar ainda muito por baixo do que poderá vir a ser o final.

É um dia histórico para as vítimas do escândalo PIP.  Ao fim de dez anos à espera e de uma difícil luta, a certificadora alemã terá de compensar as vítimas”, disse Olivier Aumaitre, advogado das 2.700 mulheres que avançaram com o processo, à Reuters.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em 2013, um tribunal de Toulon tinha já condenado a TUV a indemnizar todas as 2.700 vítimas, mas a decisão viria a ser revertida por um tribunal de Aix-en-Provence dois anos depois. Agora, este tribunal superior de Paris, voltou a confirmar a primeira decisão: a de indemnizar as vítimas.

Segundo o The Guardian, estima-se que cerca de 400 mil mulheres colocaram estes implantes em todo o mundo. A América Latina foi a mais atingida, em particular a Colômbia, onde se estima que haja mais de 60 mil vítimas. No Reino Unido, cerca de  47 mil mulheres terão também sido afetadas — quase 900 fizeram a operação pelo serviço nacional de saúde britânico para reconstrução mamária pós-cancro.