Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A semelhança com o filme Comer, Orar e Amar, protagonizado por Julia Roberts, não é mera coincidência. Aqui tudo parte precisamente de uma experiência, mas sem ser preciso apanhar o avião para Bali, Itália ou Índia — não se vai tão longe, fica-se pela Madeira, que recebe desde o início de maio as experiências ABC – Amar, Beber e Comer. O lume é o combustível que sustenta estes eventos com vários chefs convidados que acontecem nos primeiros sábados de cada mês, primeiro na Madeira, depois no continente. O próximo evento acontece dia 5 de junho.

A âncora deste novo projeto é clara como água: promover a gastronomia tradicional madeirense. Como o fazem também é simples, é chamando chefs habituados a trabalhar com sousvides e abatedores de temperatura para que preparem uma refeição 100% portuguesa num simples fogão de campanha ou numa panela de ferro.  O resto fica à mercê de quem se inscrever para viver a experiência, porque o comer e o beber estão garantidos, o amar vem por acréscimo.

A ideia surgiu como surgem muitas outras boas ideias: à mesa. Partiu de Fábio Abreu,  empresário e especialista em experiências culturais na Wanderlust Madeira, que acabou a desafiar Nuno Nobre, consultor e gestor de negócios de gastronomia. Não demorou até perceberem que de um encontro de amizades podia nascer um evento gastronómico de maiores dimensões e que pusesse a comida tradicional madeirense num pedestal.

As experiências podem acontecer em qualquer local inesperado. Só 72 horas antes é que são dadas indicações ©DR

“Estamos focados e ancorados naquilo que é a gastronomia local madeirense, nos produtos locais e tradicionais, que outrora faziam parte do receituário antigo, tal como se fazia antigamente”, diz Nuno. “É uma cozinha de memória, muito autêntica e onde cada prato de cada experiência é a identidade da Madeira. A comida pode e tem de fazer parte dessa identidade enquanto destino, e nós podemos tornar isto numa experiência agregadora com base na gastronomia”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nas experiências ABC tudo pode acontecer. “Pode ser num meio de um prado, no mar, num espaço emblemático cultural, em vários ambientes desde que não seja um espaço mainstream”, explica Nuno. “Há um lado de contacto com a natureza que temos sempre, porque a Madeira é isso. Depois é desafiarmos o chef e dizermos ‘toma lá um bico de lume e uma panela’ e eles têm de fazer acontecer”.

A premissa passa pelo fator surpresa a que todos os interessados em participar na experiência estão sujeitos, uma vez que só sabem onde esta vai decorrer 72 horas antes. A partir daí vão sendo desvendados pistas de alguns momentos da experiência ABC, mas haverá sempre um véu que cobre parte do que vai acontecer para que os comensais sejam surpreendidos no dia do evento. Quase como se tivessem de ir atrás do fumo, porque onde há fumo há fogo e se há fogo, há lume.

“O futuro da gastronomia é o passado, é olharmos para as bases da cozinha tradicional, olhar para o que se fazia dantes e trabalhar sobre isso não numa perspetiva de entretenimento, mas antes numa perspetiva de estratégia e valorização”, explica Nuno. “Todas as pessoas que estão connosco trabalham o alimento como um recurso e não como um entretenimento para criar algo só porque sim”.

A primeira edição aconteceu a 15 de maio na Quinta do Barbusano, na zona de São Vicente, e o sucesso que teve ditou que Nuno e Fábio não deixassem morrer esta iniciativa gastronómica. A próxima está agendada para 5 de junho, já este sábado, e as restantes acontecem todos os primeiros sábados do mês, sendo as páginas de Instagram e Facebook os veículos de comunicação do evento.

A acompanhar a refeição podem acontecer momentos musicais ou performances. É sempre surpresa ©DR

Nuno Nobre refere ainda que estão agendadas já experiências ABC até ao final do ano, primeiro na Madeira e depois em algumas cidades do continente, sendo que 2022 o evento extrapola fronteiras portuguesas para decorrer em alguns locais no estrangeiro ainda por revelar. Porém, o objetivo será sempre, frisa Nuno, “o de levar mais além a gastronomia tradicional madeirense, sem artifícios”.

Cada experiência tem capacidade para receber até 40 pessoas, sendo que fica a 45 euros por cabeça, incluindo menu e respetiva harmonização — a seleção de vinhos para ter à mesa, em vez da oração, será feita pelo próprio João Portugal Ramos.

O projeto ABC conta com o apoio e colaboração da Secretaria Regional do Turismo e Cultura, Associação de Promoção da Madeira e da Vista Alegre. Para mais informações e para fazer reserva no evento poderá contactar por telefone ou email (961 304 196/ info@wanderlustmadeira.com).