O secretário-geral do PCP afirmou esta quinta-feira em Santarém que, a confirmar-se, “tem gravidade” a prestação, pela Câmara de Lisboa, de informação à Rússia sobre cidadãos daquele país que organizaram uma manifestação na capital portuguesa.

Com toda a prudência que resulta do desconhecimento dos factos, a confirmar-se, creio que tem gravidade e que nesse sentido se coloca a necessidade do apuramento de responsabilidades dos factos e depois, naturalmente, que se decida em conformidade com essa investigação tendo em conta a sensibilidade e a gravidade da questão que está colocada”, declarou Jerónimo de Sousa.

“A ter sido assim, naturalmente é uma medida grave“, declarou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP, que esta quinta-feira visitou a Feira Nacional da Agricultura, que decorre até domingo no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), em Santarém, recusou “fazer juízos de valor apressados” antes do “apuramento da verdade”, de ser apresentada a “argumentação por parte dos responsáveis da Câmara Municipal de Lisboa”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Nestas matérias tão sensíveis, mais vale estarmos sustentados nesse apuramento da verdade do que em tal ou tal sentimento”, declarou.

As publicações do Observador e do Expresso divulgaram, na quarta-feira, que a Câmara de Lisboa fez chegar às autoridades russas os nomes, moradas e contactos de três manifestantes russos que, em janeiro, participaram num protesto, em frente à embaixada russa em Lisboa, pela libertação de Alexey Navalny, opositor daquele Governo.