Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Já esteve para ser a localização do novo aeroporto internacional de Lisboa. A herdade de Rio Frio foi estudada nos anos de 1990 durante o Governo de António Guterres para este projeto. Ganhou outra alternativa, a Ota, por causa de argumentos ambientais e da enorme área de montado (a azinheira e o sobreiro são árvores protegidas) que teria de ser sacrificada.

A herdade acabou por ir parar ao antigo BPN por via de uma execução de garantia por crédito não pago. E ficou nos ativos chamados tóxicos do lado do Estado. Agora vai passar para as mãos da Corticeira Amorim que promete desenvolver e reforçar a atividade agroflorestal da de Rio Frio, uma área que fica na margem sul do Tejo perto do Pinhal Novo.

A Corticeira Amorim chegou a acordo com o BCP para adquirir 50% da Cold River’s Homestead que entre os seus ativos tem uma área de 3.300 hectares da Herdade de Rio Frio, num negócio de 14,5 milhões de euros. A Corticeira informa ainda o mercado que chegou a um acordo com a Parvalorem, a empresa pública que gere a herança do BPN, para comprar os restantes 50%. Esta operação cujo valor não indica está dependente da verificação de requisitos.

A Corticeira sublinha ainda que está a desenvolver um projeto de intervenção florestal com a finalidade de “assegurar a manutenção, preservação e valorização das florestas de sobro e desenvolvimento do sobreiro, aumentar as suas produções através de processos e tecnologias inovadores já experimentados noutras zonas e, desta forma, aumentar o sumidouro de carbono do montado e contribuir para a neutralidade carbónica da empresa e do país”.

É no quadro deste projeto que se insere a compra Herdade de Rio Frio onde a empresa quer melhorar a produtividade agrofloresta, recorrendo em concreto a “adensamentos a implementar neste montado único, com processos já experimentados em outras localizações”. A Corticeira Amorim diz ainda estar “recetiva a analisar oportunidades de parceria com produtores florestais, instituições de investigação e entidades públicas locais, bem como aquisições de ativos agroflorestais com potencial de desenvolvimento e valorização do montado de sobro”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR