Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Diego Armando Maradona, considerado por muitos o melhor futebolista de todos os tempos, nunca será esquecido. Nem na Argentina, nem em Nápoles (onde foi “rei”), nem em lado algum onde esteja pelo menos um adepto de futebol. E a mais recente homenagem poderá passar pela criação de uma competição com o seu nome, no estádio que tem o seu nome, e que fica, claro está, em Nápoles.

De acordo com o New York Times, a UEFA e CONMEBOL (confederação sul-americana de futebol) estão a planear organizar um jogo entre os vencedores do Europeu e da Copa América. Neste caso, nem de propósito, jogariam a Argentina de Messi (figura maior do que é ter o espírito futebolístico de Maradona) e a Itália, o país onde D10S foi tão feliz.

A avançar, não está ainda decidido se será um evento isolado ou uma espécie de Supertaça de seleções, mas a verdade é que já existem “planos avançados” para que o jogo aconteça. Até a taça, ao que tudo indica, se chamará Diego Armando Maradona.

Curiosamente, a última vez que a Argentina jogou no estádio do Nápoles foi precisamente frente à Itália, na meia-final do Mundial realizado no país transalpino. Nesse jogo, a equipa das pampas de Maradona levou a melhor. Se a Taça Maradona for em frente, poderemos ter uma “vingança” italiana.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Itália venceu o Euro 2020 no passado domingo, frente à Inglaterra, no desempate através da marca de grande penalidade, e a Argentina venceu a Copa América, em pleno Maracanã e frente ao Brasil, acabando com uma “seca” de 28 anos.

Diego Maradona morreu a 25 de novembro de 2020. Tinha 60 anos.