Obrigado por ser nosso assinante. Não se esqueça de subscrever a nossa Newsletter exclusiva dos bastidores.

Paul McCartney vai compilar 154 letras dos Beatles, incluindo temas inéditos, num novo livro autobiográfico que será lançado a 2 de novembro, revelou esta segunda-feira ao jornal britânico The Guardian. “The Lyrics” será um “autorretrato em canções” escritas na infância, antes e depois da banda. Para além disto, contará com o olhar sobre pessoas, lugares, circunstâncias e histórias em conversas com o poeta Paul Muldoon.

A editora Allen Lane revelou que durante a preparação do livro foi encontrado um caderno do ex-Beatle com letras manuscritas que se acredita remontar ao início da década de 1960. Com esta descoberta, o livro de dois volumes e mais de 900 páginas, que seria inicialmente de cariz biográfico, tornou-se “num caleidoscópico em vez de um relato cronológico” da vida de McCartney”. Cobrirá desde as primeiras composições do músico, aos 14 anos, até à atualidade, revelou Lane.

O cantor fez uma publicação no seu Instagram esta segunda-feira onde fez a revelação: “Estamos entusiasmados em revelar as 154 canções que farão parte do novo livro #PaulMcCartneyTheLizonte! Esta seleção que abrange toda a carreira inclui músicas escritas para os Beatles, Wings, a carreira solo de Paul e muito mais, e ainda inclui um conjunto de letras para uma música não gravada dos Beatles, ‘Tell Me Who He Is'”⁣.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Num prefácio do livro, o músico escreveu: “Mais frequentemente do que possam pensar, as pessoas perguntam-me se escreveria uma autobiografia. Mas sinto que nunca tenha sido o momento certo. Nunca tive um diário onde apontasse histórias do meu dia a dia. Transformo-as antes em canções. E tenho centenas delas, que aprendi que servem praticamente para a mesma coisa. Estas músicas abrangem toda a minha vida.”

Quanto à presença relevante de Muldoon no livro, vencedor do prémio Pulitzer e amigo de longa data do artista, prende-se com o seu conhecimento das mais diversas histórias. Em fevereiro o poeta da Irlanda do Norte revelou ao The Guardian que o seu contributo foi baseado numa série de encontros que teve com McCartney ao longo de cinco anos, durante os quais discutiram o contexto das suas canções “de uma forma muito intensiva” .

“Descobrir uma nova música dos Beatles foi como desenterrar o sarcófago de Cleópatra. Os cadernos de John [Lennon] e Paul estavam cheios de letras não terminadas e até mesmo músicas concluídas que foram descartaram. Durante os primeiros anos, as canções vinham tão rápida e furiosamente que várias foram esquecidas ou guardadas no fundo de uma gaveta. Só podemos imaginar quantas letras dignas dos Beatles foram descartadas“, contou o biógrafo dos Beatles, Bob Spitz, ao mesmo jornal.

Para além das músicas inéditas, os temas “Blackbird”, “Live and Let Die”, “Hey Jude”, “Band on The Run” e “Yesterday” também constarão no livro, acompanhando a história de vida do cantor, compositor, multi-instrumentista e produtor cinematográfico. O seu lançamento será acompanhada de uma exposição na entrada da Biblioteca Britânica, patente de 5 de novembro a 13 de março de 2022.