Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de prometer um carro global do segmento B, a Citroën surpreendeu-nos ao apresentar um pequeno modelo, mas destinado apenas a mercados emergentes. A atenção da marca francesa da Stellantis a estes mercados percebe-se melhor, se tivermos em conta que 30% das suas vendas são hoje realizadas em países em processo de desenvolvimento.

Concebido como um parente não muito afastado do B-SUV Citroën C3 Aircross que é comercializado na Europa, o novo C3 “global” pretende levar os atributos habituais dos mercados tradicionais aos condutores de países com menor poder de compra, mas em franco crescimento. Referimo-nos a equipamento de segurança mais sofisticado, soluções de conforto e maior interacção entre carro e condutor, previsivelmente através do smartphone.

Os estilistas da marca aproveitaram para equipar este novo C3 com uma frente distinta da que conhecemos nos C3 e C3 Aircross europeus, uma vez que a solução exibida está já relativamente próxima do conjunto faróis, grelha e luzes de circulação diurna introduzidas com o C4 europeu e que será continuada no C5 X. O facto de optarem por um B-SUV, em vez de apenas um utilitário do segmento B, deveu-se à necessidade de disponibilizar um maior espaço interior, bem como uma bagageira com capacidade acrescida (315 litros).

As mecânicas ao serviço do novo modelo não foram referidas, mas não devem beneficiar de electrificação, pelo menos nesta fase. Mas está prevista uma versão bi-fuel, ou flexifuel, importante para países como o Brasil, habituados a veículos com a possibilidade de queimar álcool. A produção deverá arrancar ainda antes do final de 2021, para as primeiras unidades chegarem aos clientes no início de 2022.

Com 3,98 metros de comprimento e 2,54 m de distância entre eixos, o C3 destinado a países longe da Europa será produzido localmente, o que significa ser fabricado em Chennai, na Índia, para o mercado local, com o Brasil a assumir a responsabilidade de assegurar o fornecimento para a América Latina, usufruindo dos menores custos de produção dessas instalações para conseguir um posicionamento em preço mais competitivo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR