Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A utilização das linhas de crédito criadas para combater os efeitos da crise pandémica no turismo está a revelar-se muito aquém das expectativas, indicou a secretaria de Estado do Turismo ao Negócios. Meio ano depois de terem sido lançadas as linhas de crédito para o setor, as empresas do turismo só usaram cerca de 30% das verbas disponíveis.

Estão disponíveis cerca de 400 milhões de euros, em termos acumulados, mas as empresas apenas utilizaram menos de um terço, até ao momento. E porquê? Para Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, parte da explicação estará na posição de “tesouraria mais fortalecida” que muitas empresas do setor já têm, nesta altura, graças a uma “retoma turística já experienciada em junho, julho e agosto”.

“As linhas que lançámos já no primeiro semestre deste ano não estão a ter a execução que pensávamos que iriam ter. Já não tiveram a procura esperada”, comentou a secretária de Estado. Porém, “vamos manter estas linhas, para já”, assegurou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR