Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O construtor espanhol de veículos desportivos aposta forte no novo Born, o seu primeiro modelo eléctrico. Com uma atitude mais desportiva, que passa por poder oferecer um motor com efeito boost para incrementar a potência, à semelhança do que acontece com o Porsche Taycan, o Cupra Born promete ser divertido de conduzir. Mas sempre sem colocar em causa os preços relativamente acessíveis, uma vez que será proposto entre nós por 38 mil euros na versão com 204 cv e com um pack de baterias com a capacidade de 58 kWh. Daí que o CEO da Cupra preveja que o Born vai permitir à Cupra duplicar o actual volume de vendas.

Já aqui tínhamos informado que, na vizinha Espanha, o Born estava à venda desde o final de Setembro por 38.610€, valor correspondente à versão com 204 cv e 58 kWh de bateria. Sabendo que no mercado espanhol o IVA é de 21%, face aos 23% em Portugal, seria de esperar um incremento de valor correspondente, que rondará 600€. Mas ao propor o Born no nosso país pelos já mencionados 38 mil euros, isto significa que a Cupra decidiu absorver o incremento de preço devido ao imposto.

Além do efeito boost no motor, o CEO da Cupra, Wayne Griffiths, garante igualmente que o chassi foi regulado para favorecer a eficácia, com recurso ao Dynamic Chassis Control Sport, sistema capaz de alterar a lei do amortecimento. A tudo isto, o Cupra Born alia uma potência que sobe de 204 cv para 231 cv com o e-boost & range pack, o que permite ir de 0 a 100 km/h em 6,6 segundos, com a bateria de 58 kWh, ou 7 segundos com o acumulador mais pesado de 77 kWh. A autonomia em WLTP é de 420 km com a primeira bateria e 540 km nas versões que montam a segunda.

A primeira versão a chegar ao mercado português do Born montará um acumulador com 58 kWh de capacidade, para depois surgir a bateria de 77 kWh, que permite a maior autonomia, bem como a versão mais acessível, com 45 kWh, que lhe permite percorrer 340 km. Já é possível encomendar o Born no nosso país, usufruindo da oferta de energia durante um ano, mas os preços para as versões com a maior e a menor capacidades de bateria só serão anunciados posteriormente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR