Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As 124 obras de arte que estavam na casa de João Rendeiro na Quinta do Patino, em Cascais, começaram a ser recolhidas esta segunda-feira sob a orientação da Polícia Judiciária, avança o Correio da Manhã.

Segundo o jornal, as peças foram transportadas para as instalações da PJ em Lisboa, onde serão alvo de uma perícia forense que determinará a sua autenticidade. Existem suspeitas sobre a autenticidade de pelo menos três, sendo que 15 terão desaparecido.

As obras de arte (pintura e escultura) que estavam na Quinta do Patino foram apreendidas há dez anos para servirem de indemnização aos lesados do BPP, num processo em que Rendeiro foi condenado a dez anos de prisão por fraude fiscal e branqueamento de capitais. Estavam desde então à guarda da mulher do ex-banqueiro, nomeada fiel depositária.

Com a fuga de João Rendeiro, a juíza Tânia Loureiro Gomes considerou que as peças correm em risco e pediu que fossem verificadas, o que aconteceu no início da semana passada, durante uma operação coordenada pela PJ em Cascais.

PJ desloca-se a casa de João Rendeiro para verificar coleção de obras de arte

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A mulher do antigo administrador do BPP incorre agora no crime de descaminho de coisa pública. De acordo com o Correio da Manhã, Maria de Jesus Rendeiro já foi chamada a explicar o que aconteceu em tribunal.