A Grécia registou esta terça-feira 4.165 novos casos de Covid-19, o quinto valor mais alto desde o início da pandemia, o que reforça a tendência em alta que se verifica no país há semanas.

De acordo com os dados publicados pela entidade nacional de Saúde Pública, foram contabilizadas 25 mortes nas últimas 24 horas, o que aumenta para um total de 15.707 os óbitos devidos à Covid-19 desde o início da pandemia.

Nos últimos meses, a campanha de vacinação ficou praticamente estagnada e apenas 60% da população foi totalmente vacinada.

Particularmente preocupante segundo os especialistas, é o aumento das admissões hospitalares, 261 nas últimas 24 horas, um aumento de 19,1% em comparação com a véspera.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A situação é especialmente severa no norte do país, onde a taxa de vacinação é menor do que no resto do país e as Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) estão no limite.

Em todo o país, a taxa de ocupação das UCI já atingiu 74%, de acordo com o presidente do sindicato dos trabalhadores da saúde dos hospitais públicos, Mijalis Yiannakos.

Apesar da gravidade da situação, em Salónica uma grande multidão foi esta terça-feira à missa celebrar o santo padroeiro da cidade, São Demétrio, com imagens nas quais se podiam ver pessoas sem máscaras e a beijar as imagens do santo.

Face à propagação dos casos, as autoridades regionais de praticamente todos os municípios da metade norte do país anunciaram esta terça-feira o cancelamento dos tradicionais desfiles de estudantes realizados anualmente em 28 de outubro, para assinalar o feriado nacional.

Apesar de todo o norte estar em alerta vermelho, o governo não considera, por agora, reforçar as medidas preventivas e, atualmente, requer apenas a utilização de máscaras em locais fechados ou onde haja multidões.

A Grécia tem também um dos regimes de sanções mais duros no setor laboral, já que além de ser obrigatório o certificado de Covid-19 em restaurantes e bares, os trabalhadores dos setores público e privado são obrigados a vacinar-se, demonstrar que recuperaram da doença ou apresentar semanalmente um teste negativo, sob pena de multa se não o fizeram.

No sistema de saúde, a sanção é a suspensão do emprego e do salário.

A Covid-19 provocou pelo menos 4.952.390 mortes em todo o mundo, entre mais de 243,97 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.