A Organização Mundial da Saúde considerou esta quinta-feira que o número de casos e mortes em Portugal demonstra a eficácia das vacinas contra a Covid-19, mas alertou que apenas a imunização “não é suficiente para acabar com a pandemia”.

“Portugal tem uma cobertura de vacinação muito elevada e o número de casos é muito mais baixo do que já foi ao longo desta pandemia. A taxa de mortalidade é também muito baixa, apesar de cada uma destas mortes ser trágica”, adiantou a responsável técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a pandemia.

Em conferência de imprensa, Maria Van Kerkhove salientou que o objetivo principal das vacinas contra o vírus SARS-CoV-2 é prevenir casos graves de Covid-19 e mortes, o que está a acontecer em países que registam altas taxas de vacinação.

“As vacinas contra a Covid-19 que estão a ser utilizadas são incrivelmente eficazes a prevenir hospitalizações e a necessidade de as pessoas terem de ir para unidades de cuidados intensivos e morrer. O que vemos em Portugal, assim como em muitos países, é isso a acontecer. Os dados suportam isso. São boas notícias”, afirmou a epidemiologista.

Estudo aponta pico de carga viral similar entre vacinados e não vacinados

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar disso, Maria Van Kerkhove alertou que as “vacinas, por si só, não são suficientes para acabar a pandemia”, reiterando que a OMS continua a “aconselhar fortemente” a adoção de outras medidas, como o distanciamento, o uso de máscara e a ventilação de espaços interiores, como forma de evitar a disseminação de infeções.

“Temos várias ferramentas que estão disponíveis atualmente, que podem, não apenas salvar vidas, mas também reduzir a transmissão” do vírus, assegurou a responsável técnica da OMS, que admitiu que o número de infeções aumente na Europa com a chegada do inverno.

“A Europa tem visto um crescimento de casos nas últimas cinco semanas e um aumento de mortes nas últimas seis semanas”, disse Maria Van Kerkhove.

Europa é a região do mundo com maior aumento de casos e mortes

A ministra da Saúde alertou esta quinta-feira para “um agravamento” da situação epidemiológica da pandemia de Covid-19 na última semana, avançando que este cenário “era de alguma forma esperado” e acompanha a situação europeia.

“A situação epidemiológica no país ao longo da última semana conheceu um agravamento, este agravamento acompanha aquilo que é a situação europeia”, afirmou Marta Temido, na conferência de imprensa realizada após o Conselho de Ministros, onde foi decidido prolongar a situação de alerta devido à pandemia de Covid-19 até 30 de novembro.

A governante avançou também que as estimativas e as análises de modelação epidemiológica realizadas pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge apontam para 1.300 casos confirmados no dia 7 de novembro, caso se mantenha o atual risco de transmissão.

A ministra precisou que, na última semana, a incidência cumulativa a 14 dias situava-se nos 94 casos por 100 mil habitantes, apesar de ser “uma incidência que está abaixo daquilo que é a média hoje registada nos países da União Europeia, que é de 235 casos por 100 mil habitantes”.

Segundo Marta Temido, esta incidência tem vindo a aumentar “em linha com o risco de transmissão efetivo que está acima de um há 16 dias e que situa agora em 1,08”.

Marta Temido alerta para contexto e sinais “preocupantes” na evolução da pandemia. E revela que Portugal pode ter 1.300 casos em novembro

A Covid-19 provocou pelo menos 4.969.926 mortes em todo o mundo, entre mais de 244,94 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.149 pessoas e foram contabilizados 1.088.133 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.