O Conselho de Governo da Madeira autorizou esta quinta-feira a segunda fase da obra do Hospital Central e Universitário da Madeira, no valor de 75 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira o gabinete da presidência.

A decisão consta do comunicado com as conclusões da reunião semanal do Conselho de Governo da Madeira e já se encontra publicada no Jornal Oficial da Região.

A segunda fase da construção do novo hospital, referente às estruturas e aos espaços exteriores, terá um custo de 75 milhões de euros (valor ao qual acresce o IVA), lê-se na portaria assinada pelo secretário regional das Finanças, Rogério Gouveia, e pelo secretário regional das Infraestruturas, Pedro Fino.

De acordo com a publicação no Jornal Oficial, 5,3 milhões de euros serão investidos no próximo ano, 29,3 milhões em 2023 e 40,4 milhões de euros em 2024.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A obra de construção do Hospital Central e Universitário da Madeira, atualmente em fase de terraplanagens, está orçada em cerca de 340 milhões de euros e o Governo da República assegura o cofinanciamento em 50% da construção, fiscalização da empreitada e aquisição de equipamento médico e hospitalar.

Rio sugere a Costa que exija à EDP pagamento de impostos e pague 50% do hospital da Madeira

A nova unidade hospitalar, localizada na freguesia de São Martinho, no Funchal, abrange uma área de 172 mil metros quadrados e terá 607 camas, sendo 79 de cuidados intensivos e 503 destinadas a internamento geral, um parque de estacionamento com capacidade para quase 1.200 automóveis e um heliporto.

O Governo, de coligação PSD/CDS-PP, autorizou também a reabilitação do bloco operatório do Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, no valor de 2,3 milhões de euros, decisão que também já consta do Jornal Oficial da Região Autónoma da Madeira.

De acordo com as conclusões do Conselho de Governo divulgadas, destacam-se também a comparticipação financeira à Associação Comercial e Industrial do Funchal, no valor máximo de cerca de três milhões de euros, “para a realização de até 205.000 testes antigénio para a SARS-CoV-2”.

O Conselho de Governo aprovou ainda dois contratos-programa no âmbito da Rede de Cuidados Continuados na tipologia de longa duração e manutenção, um no valor de 2,4 milhões de euros e outro no montante de 3,5 milhões de euros.