815kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Palácio diz que Kate está "entusiasmada" com divulgação de um relatório. O regresso será quando tiver "luz verde" dos médicos

A divulgação de um relatório sobre um dos temas mais queridos de Kate, levou o Palácio de Kensington a dizer que a princesa de Gales está a par do assunto, mas regresso só com "luz verde" dos médicos.

The Duchess Of Cambridge Visits The Natural History Museum
i

Kate, quando ainda era duquesa de Cambridge, em junho de 2021, num projeto do Museu de História Natural

Getty Images

Kate, quando ainda era duquesa de Cambridge, em junho de 2021, num projeto do Museu de História Natural

Getty Images

O centro para a “early childhood” (primeira infância) da Royal Foundation dos príncipes de Gales, e a que Kate se tem dedicado ao longo da última década, divulgou esta terça-feira um relatório e um porta-voz do Palácio de Kensington revelou que esta está “entusiasmada” por os trabalhos continuarem na sua ausência, que foi “totalmente atualizada durante o processo” de realização deste relatório, mas que tal “não deve ser visto como um regresso da princesa de Gales ao trabalho”, escreve e cita o jornal The Times. O responsável acrescenta que Kate só regressará aos seus deveres públicos quando os médicos lhe derem “luz verde”.

A princesa de Gales está afastada da vida pública desde que foi submetida a uma cirurgia abdominal no passado mês de janeiro. Depois de uma longa ausência sem notícias sobre o seu estado de saúde, Kate divulgou um vídeo a 22 de março onde revelou que está a fazer um tratamento de quimioterapia preventiva e, portanto, a sua ausência prolongar-se-á. Não é vista desde então.

Os 88 dias de um “Kategate” até ao anúncio de cancro que desfez o mistério

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A primeira infância é um tema que tem assumido grande protagonismo na agenda de Kate desde há vários anos e tem um centro próprio na Royal Foundation, a fundação dos príncipes de Gales, lançado por Middleton em 2021. O projeto analisa e consciencializa para a importância da ação nos primeiros anos da infância para a transformação da sociedade do futuro.

[Já saiu o segundo episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui o primeiro episódio.]

A princesa de Gales criou em março de 2023 uma taskforce com oito das principais empresas dos Reino Unido onde estão funcionários da Iceland, Lego, Aviva, Co-op, Ikea e Deloitte, e, aparentemente, a princesa quer alargar este grupo de forma a envolver empresas de todas as  dimensões.

O objetivo é ter “um papel fundamental na sensibilização e na criação e expansão de ações tangíveis para mudar a forma como a primeira infância é vista e priorizada”, pode ler-se no site do centro. “Enquanto empregadores, fornecedores de bens e serviços e influenciadores na sociedade moderna, as empresas têm pontos de contacto únicos para catalisar e sustentar mudanças generalizadas.” Este grupo de trabalho é responsável pelo relatório divulgado esta terça-feira que tem como nome “Prioritising early childhood for a happier, healthier society”.

“As empresas podem desempenhar agora um papel extremamente significativo no apoio à sua força de trabalho atual, mas há também uma oportunidade a longo prazo para adotar uma abordagem preventiva mais profunda e investir na primeira infância, para proteger e fortalecer as gerações futuras”, pode ler-se numa publicação na rede social Instagram partilhada pelos príncipes de Gales e pelo centro Early Childhood.

Segundo o Times, o palácio confirmou que Kate leu o relatório e foi informada sobre as conclusões da taskforce. Embora esteja afastada, terá sido a “força motora” deste grupo. O jornal diz também que este relatório foi partilhado com o governo britânico antes da sua divulgação.

Christian Guy, o diretor do Centro para a Primeira Infância da Royal Foundation, disse que “a princesa está entusiasmada com isto”, referindo-se ao relatório. “É um claro compromisso que ela assumiu em toda a sua vida de serviço público que esta [área] será um foco para a princesa de Gales. Isso vai continuar quando ela regressar ao trabalho”, cita o mesmo jornal britânico.

Ao longo das últimas semanas vimos o Rei regressar às atividades públicas, depois de ter sido anunciado que lhe foi diagnosticado um cancro e que está a fazer tratamentos. Kate, por seu lado, está totalmente afastada dos olhares do público. No próximo mês de junho celebra-se o aniversário oficial do Rei com a parada militar Trooping the Colour, um ponto alto do calendário da família real onde todos se costumam reunir à volta do monarca para uma fotografia na varanda do Palácio de Buckingham. É também o mês das corridas de cavalos de Ascot, outro evento que a família de Carlos III não perde. São ambos momentos em que Kate se tornou presença obrigatória, contudo não se sabe se a princesa de Gales estará presente em algum dos dois este ano.

Kate Middleton anuncia que tem cancro e está a receber quimioterapia

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos