Olá

835kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

"É possível eleger o segundo deputado." Mortágua e Louçã elevam ambição do Bloco

Catarina Martins tinha recuado para a posição mais cautelosa de pedir o melhor resultado possível, mas Mariana Mortágua e Francisco Louçã subiram a ambição: acreditam na eleição de dois eurodeputados.

Mariana Mortágua durante a descida da Rua de Santa Catarina, esta quarta-feira, na cidade do Porto
i

Mariana Mortágua durante a descida da Rua de Santa Catarina, esta quarta-feira, na cidade do Porto

LUSA

Mariana Mortágua durante a descida da Rua de Santa Catarina, esta quarta-feira, na cidade do Porto

LUSA

No início de maio, numa entrevista ao podcast “Perguntar Não Ofende”, de Daniel Oliveira, a cabeça-de-lista do Bloco de Esquerda às eleições europeias, Catarina Martins, foi diretamente questionada sobre quais eram as metas do partido para as eleições do dia 9 de junho. A resposta (aos 9:42) foi clara e inequívoca: “Manter os dois eurodeputados. Aliás, o Bloco de Esquerda é a única força de esquerda que está a disputar isso mesmo: poder ter dois eurodeputados.”

Nas europeias de 2019, o Bloco tinha sido a terceira força política mais votada. Com quase 10% dos votos, conseguiu eleger para o Parlamento Europeu a cabeça-de-lista, Marisa Matias, e o número dois da lista, José Gusmão. Porém, cinco anos depois, o cenário político em Portugal mudou radicalmente e, a julgar pelas últimas legislativas, o Bloco de Esquerda tem muito menor expressão eleitoral no país. Praticamente todas as sondagens são pouco simpáticas para essa ambição do partido, atribuindo ao Bloco apenas um eurodeputado.

Possivelmente por causa disso, Catarina Martins começou a campanha a baixar as expectativas para as eleições e a rejeitar qualquer leitura nacional do resultado de 9 de junho. Logo na primeira ação do período oficial de campanha, uma visita à feira de Espinho, questionada pelos jornalistas sobre a sua meta na partida para a campanha, Catarina Martins rejeitou avançar um número. Pediu apenas um “resultado forte” e uma esquerda de confiança em Bruxelas para “contrariar um projeto de extrema-direita que ataca a liberdade das mulheres e os direitos de toda a gente”.

Ao longo de quase duas semanas de campanha, Catarina Martins tem repetido estas palavras: o Bloco quer o melhor resultado possível, terá os deputados que merecer e apostará numa campanha que mostre às pessoas o que é possível fazer, a partir de Bruxelas, para melhorar as suas vidas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Contudo, a meio da segunda semana de campanha, duas altas figuras do partido voltaram a subir a fasquia da ambição do Bloco de Esquerda e colocaram novamente em cima da mesa o objetivo de eleger dois eurodeputados, mesmo continuando todas as sondagens a dar esse cenário como improvável.

Primeiro foi Francisco Louçã, o histórico fundador e ex-coordenador do Bloco de Esquerda, que se juntou à campanha eleitoral para um forte discurso num comício no Porto, na noite de terça-feira. Numa intervenção em que se focou no “vírus da indiferença” que considera ter-se instalado no debate político contemporâneo, Francisco Louçã perspetivou a possibilidade de o Bloco de Esquerda eleger dois eurodeputados: “O Bloco de Esquerda, que se reforçou nas últimas eleições, e continuará, é, por isso mesmo, o único partido que à esquerda pode disputar a eleição do segundo deputado.”

A guerra, os migrantes, a liberdade e as condições de vida. Louçã na campanha para uma lição em quatro atos sobre o “vírus da indiferença”

Depois, foi a vez da coordenadora do Bloco, Mariana Mortágua, que durante a tradicional arruada na Rua de Santa Catarina, no Porto, assumiu claramente o objetivo de eleger dois eurodeputados no próximo domingo.

“Acredito que é possível eleger o segundo deputado. Acredito que um segundo deputado do Bloco de Esquerda faz toda a diferença no Parlamento Europeu. Jogam-se coisas tão importantes, a diferença entre a guerra e a paz, a resposta à crise climática, a resposta à crise das migrações, a resposta pela habitação”, afirmou Mariana Mortágua em declarações aos jornalistas a meio da descida da Rua de Santa Catarina, um percurso durante o qual a comitiva bloquista se cruzou com muitos turistas, mas também com um grupo de lesados do BES que quiseram abordar a candidata.

Questionada ainda mais diretamente sobre se essa era a meta que colocava ao partido, Mortágua prosseguiu: “O objetivo eleitoral é sempre reforçar, é sempre continuar a crescer, sempre a aumentar o número de votos e certamente eleger o segundo eurodeputado em Bruxelas. Porque o segundo eurodeputado fará diferença.”

A coordenadora do partido defendeu ainda que “quem vota no BE sabe que a Catarina Martins e que o José Gusmão terão uma presença no Parlamento Europeu em defesa dos direitos humanos”. Com os eurodeputados bloquistas, continuou, “não há acordos com a extrema-direita, não há cedências nos direitos humanos, não há cedência na resposta à crise climática, não há cedência na resposta à crise da habitação”.

Louçã responde a Cotrim: “Estilo galifão”

O décimo dia de campanha de campanha do Bloco de Esquerda ficou também marcado pela continuação da picardia entre Francisco Louçã e João Cotrim de Figueiredo, o cabeça-de-lista da Iniciativa Liberal — a quem o fundador do Bloco acusou de ter deslizado para um estilo “galifão” e “trauliteiro”.

O caso tinha começado no comício da noite de terça-feira, quando Francisco Louçã atirou a João Cotrim de Figueiredo pelo facto de, por “graçola”, ter recomendado a Catarina Martins que lesse um livro de Milton Friedman, economista americano que é uma das referências do liberalismo e que teve vários dos seus alunos como ministros na ditadura chilena de Pinochet.

Catarina Martins recebeu o apoio de várias figuras de peso do partido

LUSA

“Das duas uma: ou Cotrim conhece a lombada e não conhece o autor, ou conhece o título e não o conteúdo, ou conhece o autor de nome mas não sabe a sua história e isso é poucochinho para quem diz tanto da sua literacia financeira ou outra”, disse Louçã, que também falou contra a “política suja” das famílias políticas que votaram o Pacto das Migrações dizendo que não concordam com ele.

Na manhã de quarta-feira, Cotrim respondeu a Louçã, dizendo que o fundador do Bloco é que é “especialista em política suja”.

À margem de uma ação de campanha em Famalicão, João Cotrim Figueiredo não só apontou a ironia de ser Louçã, um “especialista em política suja”, a acusar os outros de o serem, como questionou a legitimidade da crítica do bloquista. Lembrando que os mestres não podem escolher os discípulos mas os discípulos podem escolher quem seguir, o liberal atirou: “Quem escolheu seguir Trótski não tem autoridade”.

Durante a tarde, desafiada a comentar as declarações de Cotrim, Catarina Martins conteve-se: “Talvez não seja a expressão exatamente mais elegante. Mas, neste momento, interessa-me falar sobretudo de porque é que as pessoas devem votar nas eleições europeias. (…) Acho que é sobretudo bastante vazia e bastante deselegante. Prefiro falar de questões que são muito mais importantes.”

Já na arruada na Rua de Santa Catarina, que encerrou o dia de campanha para o Bloco de Esquerda, Francisco Louçã regressou à campanha e falou aos jornalistas sobre o caso.

“Eu fiquei muito surpreendido, porque não é nada o estilo de Cotrim de Figueiredo, este estilo galifão”, disse. “Na verdade, ele acabou por reconhecer a razão da minha crítica: o herói do liberal apoiou uma ditadura. Portanto, é um bom argumento para defendermos a liberdade contra a mentira. (…) Ele reconheceu, no entanto, e quis-se demarcar, do apoio do herói do liberalismo a uma ditadura.”

Perante a insistência dos jornalistas, Louçã sublinhou apenas que não pretende dar “troco” a Cotrim, mas reconheceu que não esperava que o liberal “resvalasse para um estilo tão trauliteiro”.

“Portanto, nisso não respondo”, sintetizou.

Louçã desafiou, por outro lado, Cotrim a “dar um contributo” para a paz. Lembrando que ontem o ministro das Finanças da Alemanha, Christian Lindner, manifestou o seu apoio à IL, o fundador do Bloco desafiou Cotrim a pressionar os liberais alemães (que integram uma solução de governo com socialistas e verdes) a parar com o envio de armas para Israel.

“[Cotrim] recebeu ontem o apoio de um ministro de um governo onde estão os liberais, os verdes e os socialistas — e que é um dos maiores fornecedores de armas a um criminoso de guerra. Por isso, ele podia ajudar, podia ter uma palavra. Em vez desta zanga, podia ter uma palavra serena para contribuir para o fim daquela guerra”, disse Louçã.

“Esse governo está a fornecer armas a um assassino, a um criminoso de guerra”, acrescentou. “Os liberais que apoiam Cotrim de Figueiredo enviam armas para Netanyahu. É um criminoso de guerra. É um homem que está a matar crianças.”

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas