820kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Seis dos nove fundadores da "Próxima Geração"
i

Seis dos nove fundadores da "Próxima Geração"

Seis dos nove fundadores da "Próxima Geração"

A academia apartidária que quer ensinar os jovens a fazer política: "O cidadão comum não faz ideia como se pode candidatar a uma Junta"

Nove empreendedores juntaram-se para trazer para Portugal o conceito da Apolitical Academy, uma academia que quer dar ferramentas políticas e de liderança aos jovens entre os 16 e os 30 anos.

Aprender a debater, fazer angariação de fundos, criar decretos-lei (e aprender a negociá-los), fazer campanhas porta a porta, recolher assinaturas para uma petição, escrever estatutos de uma associação e um abaixo-assinado. São estas algumas das propostas de formação da “Próxima Geração”, uma academia apartidária, sem fins lucrativos, que ambiciona “revitalizar a democracia portuguesa” e dar competências políticas e cívicas práticas a jovens entre os 16 e os 30 anos, através de cursos.

O objetivo é pôr grupos diversos de jovens, de norte a sul do país, de diferentes idades, etnias, contextos e espectros políticos, a debater e a encontrar consensos, muitas vezes difíceis de obter na política ativa, explica ao Observador Ricardo Marvão, um dos principais responsáveis pela importação do conceito (criado há cinco anos na Suécia com o nome Apolitical Academy) para Portugal. “Temos, à partida, um conjunto de pessoas que vão pensar diferente. Queremos criar nelas uma capacidade de chegar a consensos”, observa o também cofundador da consultora de inovação Beta-i.

O programa parte da premissa de que para mudar o sistema é preciso entrar nele. E, para isso, há que derrubar barreiras à entrada, defende Fernando Soares, outro dos cofundadores. “O cidadão comum não faz ideia como se pode candidatar a uma Junta de Freguesia, a uma Câmara Municipal, como entrar num partido. Há aqui uma assimetria de informação que é preciso reduzir“, afirma. Fora dos partidos políticos, e do que dizem ser o pensamento muitas vezes uniforme das juventudes partidárias, o objetivo é dar aos participantes ferramentas para que possam, se o entenderem, seguir uma carreira política, ou simplesmente aprender competências cívicas e sociais.

“A maioria dos políticos em Portugal vem da ciência política, da economia e do direito. E Portugal conseguiu oferecer isso nos últimos anos. Do que às vezes o nosso ensino e educação formal se esquece é de formar determinados tipo de softskills. Aprendemos pouco a falar em público, a debater, como no ensino anglosaxónico”, nota Fernando Soares, diretor de desenvolvimento e financiamento da Universidade Nova de Lisboa, que se intitula como um “fundraiser [angariador de fundos] profissional” (foi co-responsável pelo financiamento do projeto do Campus de Carcavelos).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A academia, que está ainda a ‘instalar-se’ em Portugal, espera começar a receber candidaturas até ao final do primeiro trimestre. As aulas do curso-piloto vão acontecer aos fins de semana, durante 12 semanas, até ao verão. Inicialmente com 30 participantes, a ideia é rapidamente chegar aos três cursos com 60 alunos cada um.

“Estamos a ter a liderança política que merecemos se não investirmos nela”

“Por vezes as pessoas erradas são atraídas para a política”. Quem o diz é Lisa Witter, fundadora da Apolitical, a empresa que criou as academias com o mesmo nome (que além de Portugal estão em países como a África do Sul, Georgia, Azerbeijão, Arménia e Paraguai, e vão chegar para o ano ao Reino Unido, à Austrália e ao Peru). Witter, que se assume como uma “empreendedora política”, explica que o processo de “recrutamento” dos participantes deve seguir um princípio de diversidade, com pessoas de “mente aberta” e um sentido “ético”. Nos programas, os alunos aprendem “essencialmente três coisas”: a desenvolver competências de liderança política, a aprender “como fazer política”, contextualizando o sistema, e “como ser um legislador [policy maker] eficaz” — “por exemplo, de que inovação precisamos na política e na democracia?”

"Queremos mostrar às pessoas que não basta chegar à internet e expor a sua ideia. É preciso ir à luta, expô-la publicamente e chegar a um consenso com pessoas que têm outras ideias."
Fernando Soares, cofundador da Próxima Geração

Na juventude, Lisa, norte-americana, fez parte do Partido Democrata, mas sentia que este “não estava a investir em jovens de contextos diversos para candidatos”. Aos 23 anos, quando trabalhava num instituto de desenvolvimento e formação de líderes, pensou: “Porque é que estamos a ensinar líderes políticos a serem eleitos e porque não estamos a ensinar-lhes competências de liderança e como serem bons legisladores?”

Com a Apolitical, financiada através de angariação de fundos junto de fundações, pessoas em nome individual ou fundos públicos (a mesma lógica será replicada em Portugal), quer que os participantes possam aprender a fazer política, nomeadamente por observação. “Cada programa é diferente, mas podem desde ver como a política é feita no terreno, debaterem, aprender com os oradores”. Se há muitos que saem a querer exercer cargos públicos ou políticos, outros ambicionam apenas “aprender a envolver-se mais política ou civicamente”.  “Preocupa-me quando vêm ter comigo e dizem: ‘Quero ser político’. Procuramos pessoas que queiram ajudar o serviço público e a política é uma boa forma de o fazer. Algumas pessoas vão envolver-se na política, e não há nada de mal, desde que seja pelas razões certas. Outras pessoas querem apenas aprender e, se calhar, nem vão fazer nada durante 20 anos e mais tarde decidem envolver-se”, explica.

Witter, que trabalha na área da formação política há mais de 20 anos, acredita que as causas para uma certa “descrença” dos cidadãos na política, e na democracia, são variadas. Por um lado, considera que, mais do que com a política em si, as pessoas estão “descontentes” com os partidos, que associam à “velha guarda”. E com a própria classe política. “A forma como o cérebro funciona é que as más notícias vendem mais do que as boas. Ouvimos mais sobre os políticos que estão a fazer coisas más, não sobre os que estão a fazer um trabalho extraordinário, e conheço vários”, afirma.

A empreendedora defende que, para ser mais atrativa e funcionar melhor, a democracia “precisa de ser atualizada para condizer com a forma como o mundo funciona”. “Temos uma política de século XVIII e uma visão da tecnologia do século XX. Precisamos de uma forma diferente de ver a política. Fizemos um levantamento e há 18.000 escolas de MBA certificadas e 374 institutos de formação política, e a maior parte são novos ou não são corretamente financiados. Estamos a ter a liderança política que merecemos se não estamos a investir nela.”

Ainda assim, diz que tem notado o aumento da procura por formação política, impulsionada pelas alterações climáticas e a desigualdade de género. “Estou muito preocupada porque se não encontramos representantes melhores e mais diversos teremos outro tipo de consequências. Todos estes jovens vão continuar a sair às sextas-feiras [no movimento criado pela ativista Greta Thunberg] até que os dedos fiquem azuis de protestarem na rua, porque não veem a mudança. Precisamos de pegar nessa energia e direcioná-la de forma a que possam ver essa mudança. Não é apenas protestar, é entrar [no sistema] e fazerem o trabalho difícil de chegar a acordo, ouvir. Estamos a tentar fazê-los crer que é bom serem empreendedores sociais, mas vão esbarrar contra o sistema se não entrarem nele”.

"Temos uma política de século XVIII e uma visão da tecnologia do século XX. Precisamos de uma forma diferente de ver a política. Fizemos um levantamento e há 18.000 escolas de MBA certificadas e 374 institutos de formação política, e a maior parte são novos ou não são corretamente financiados. Estamos a ter a liderança política que merecemos se não estamos a investir nela.”
Lisa Witter, cofundadora Apolitical Academy

Fernando Soares aponta outro objetivo: “Queremos mostrar às pessoas que não basta chegar à internet e expor a sua ideia. É preciso ir à luta, expô-la publicamente e chegar a um consenso com pessoas que têm outras ideias”.

Foco será nos jovens “fora da política”, mas curso estará aberto a “todo o espectro democrático”

O primeiro rascunho da importação da ideia partiu de Ricardo Marvão, cofundador da Beta-i, depois de ver um documentário sobre uma associação criada por jovens que juntava quem conhecia e estava dentro do sistema e pessoas que têm “algo para dizer”, chamado Knock Down the House, de 2019, o mesmo ano em que conheceu Robyn Scott, cofundadora da Apolitical. Falou com Fernando Soares, com quem já tinha trabalhado, e com outros “empreendedores” que não estão na política ativa, mas ligados a projetos da sociedade civil (ao todo, são agora nove).

Além de Ricardo Marvão e Fernando Soares, são cofundadores Adriana Cardoso, ex-colunista do Público e da Comunidade Cultura e Arte, Nuno Alvim, especialista em economia da concorrência e consultor na RBB EconomicsPartner em Bruxelas, Nuno Carneiro, fundador e coordenador da comunidade cívica Política Para Todos, Luís Lacerda, investigador na University College London e antigo presidente da Associação Portuguesa de Estudantes e Investigadores no Reino Unido (PARSUK), Simone Uriartt, designer estratega em inovação social, João Costa, diretor de Pessoas & Cultura da empresa de desenvolvimento de jogos FRVR e Teresa Dias Coelho, economista e cofundadora da ONGD WACT – We Are Changing Together.

"Temos, à partida, um conjunto de pessoas que vão pensar diferente. Queremos criar nelas uma capacidade de chegar a consensos."
Ricardo Marvão, cofundador Próxima Geração

O programa, destinado a jovens dos 16 aos 30 anos, será focado nos “que estão fora da política”, assegura Fernando Soares. Mas também vai aceitar candidaturas de alunos ligados a partidos, desde que pró-democráticos. “Toda a discussão que existir será pró-democracia. Vamos querer ver representadas as forças que estão no Parlamento e que os portugueses consideram relevantes dentro do espectro democrático”, frisa. Para já, Ricardo Marvão e Fernando Soares não revelam quem serão os professores ou oradores do primeiro curso da academia, mas, dizem, estão dentro e fora da política.

Apesar dos objetivos de ter turmas diversas, o curso-piloto não será gratuito. Ricardo Marvão garante, no entanto, que o preço será “mínimo”, embora não queira ainda especificar. “Essa componente pode ser um desafio. Podemos ajudar as pessoas a criar uma campanha de angariação de fundos”, exemplifica. Os encontros serão em formato misto, online e presencial, alguns dos quais no interior, para, dizem, “mostrar a realidade do país”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos