829kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

epa11378598 Presidential candidate of the Morena Party, Claudia Sheinbaum, speaks during a campaign event in the Zocalo of Mexico City, Mexico, 29 May 2024. Mexico is scheduled to hold general elections on 02 June 2024.  EPA/Isaac Esquivel
i

Resultados preliminares dão cerca de 60% da votação à candidata pelo partido Morena que se apresenta como anti-neoliberal

Isaac Esquivel/EPA

Resultados preliminares dão cerca de 60% da votação à candidata pelo partido Morena que se apresenta como anti-neoliberal

Isaac Esquivel/EPA

Cientista, humanista e de origem judaica. Quem é Claudia Sheinbaum, a primeira mulher eleita Presidente do México?

Cresceu rodeada de política, ativismo e ciência e não deixou nenhum dos caminhos para trás. Aos 61 anos, a candidata do Morena estreia a liderança presidencial feminina no México.

“Cientista, humanista e com um profundo amor pelo México e pelo seu povo”. A curta apresentação na rede social X traça as linhas gerais do quadro do percurso profissional e pessoal de Claudia Sheinbaum. Aos 61 anos, torna-se a primeira mulher a chegar ao cargo de Presidente do México. “Chegou o momento das mulheres transformadoras”, repetiu durante a campanha. Com cerca de metade dos votos da eleição presidencial deste domingo apurados, Sheinbaum recolheu, segundo dados preliminares, 57,81% do sufrágio.

A mexicana, de origem judia, declarou vitória perante milhares de apoiantes, num discurso emocionado, este domingo à noite, anunciando que o seu partido, o Movimento para a Regeneração Nacional (Morena), obteve uma “maioria qualificada” no Congresso. Prometeu ainda “que não vai falhar” aos mexicanos que lhe depositaram a confiança de guiar o destino do país. Os seus principais adversários — Xochitl Gálvez e Jorge Álvarez Máynez — já reconheceram igualmente a vitória da adversária.

O Morena, o partido de esquerda anti-neoliberal e populista é, atualmente, aquele que maior representatividade tem no México. Alcançou o poder em 2018 e a sua confiança acaba de ser renovada por mais seis anos.

Favorita à presidência desde o momento em que apresentou a candidatura, Sheinbaum representa o empoderamento feminino na vida política, mas também a continuidade do projeto de esquerda iniciado há seis anos por Andrés Manuel López Obrador, seu antecessor e mentor, que esgotou a possibilidade de se recandidatar ao cargo após ter cumprido o mandato completo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Primeira mulher a liderar a Cidade do México, torna-se a primeira mulher a liderar o país

É pioneira enquanto mulher a chegar à liderança do México, mas já o tinha sido quando em dezembro de 2018 foi eleita, pelo Morena, para liderar a prefeitura (órgão de poder local) da Cidade do México. Por lá já conhecia os cantos à casa, entre 2000 e 2006 tinha ocupado o cargo de secretária-geral do gabinete ambiental da Cidade do México, na época em que Andrés Manuel López Obrador era prefeito da capital do país.

Ainda enquanto estudante, o reconhecimento político chegou através do ativismo e protesto estudantil. A política e os ideais de esquerda correm-lhe no sangue e foi enquanto estudante de ciências, no México, que começou a ser politicamente ativa. Em 1987, como recorda a Globo, Sheinbaum organizou uma greve contra o aumento das propinas. Seguia as pisadas do pai e mãe, que vinte anos antes se uniram aos protestos estudantis dos quais resultaram 3oo mortes após uma violenta reação policial.

GettyImages-2155250744

Bloomberg via Getty Images

Do envolvimento na política estudantil até à filiação no Morena, foi um passo. Antes e a par da política, Claudia Sheinbaum vingou no percurso académico. Formou-se em física pela Unam, uma das maiores universidades no país, e pós-graduou-se em engenharia ambiental. Estudou fora, nos EUA, para concluir um pós-doutoramento na Universidade da Califórnia em Berkley. Na mesma altura, participou no Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática da ONU que ganhou um Prémio Nobel da Paz em 2007.

Judia, cientista e humanista. Como as suas raízes moldaram a nova presidente mexicana

Num país em que a esmagadora maioria dos habitantes professa a fé cristã, a nova Presidente do México cresceu numa família de origem judaica. O apelido — Sheinbaum — denuncia as raízes vindas da Europa de Leste. O seu avô paterno viajou da Lituânia para o México, em 1920. Já a família materna escolheu o mesmo refúgio para fugir ao nazismo, saindo da Bulgária para rumar ao país da América do Norte.

“Na minha casa falávamos de política no pequeno-almoço, almoço e jantar”, conta a agora Presidente mexicana na biografia escrita por Arturo Cano, citada pela BBC. Descreve a dualidade entre “fazer política para transformar o mundo e, ao mesmo tempo, o ambiente académico e científico”, onde cresceu. Os seus pais, além de a introduzirem ao ativismo político desde tenra idade eram ambos cientistas.

Junto do eleitorado, a sua formação técnica e carreira política é vista com bons olhos, mas, acima de tudo, é tida em boa conta a sua proximidade ao seu antecessor. Muitos consideram-na a solução de continuidade do Governo de López Obrador. No seu programa, Sheinbaum promete concentrar o seu mandato em prosseguir o modelo económico “humanista” do atual governo, baseado em programas sociais que contribuíram para reduzir a taxa de pobreza e melhorar as condições de vida no país.

Se herdar as políticas, popularidade e sucesso do anterior líder do Governo lhe permitiu uma vitória confortável, a oposição utilizou, durante toda a campanha, esse mesmo argumento para a acusar de falta de criticismo em relação aos problemas do atual governo mexicano e de não trazer ideias novas para cima da mesa.

A festa “seca” para os milhares de cidadãos mexicanos que saíram à rua

A noite de domingo foi de festa para milhares de eleitores mexicanos que desejavam a solução de continuidade do partido Morena no Governo, que há seis anos acena a bandeira do combate à pobreza em várias regiões do México. Mesmo que vários economistas entendam que outros fatores — como o envio de dinheiro por emigrantes que trabalham no estrangeiro aos seus familiares — pesem no sucesso das políticas sociais aplicadas pelo último Governo.

Foi uma noite de festa, mas não foi de álcool, já que, segundo a “lei seca”, que entrou em vigor em 2014 no México, nos dias em que decorram atos eleitorais, existe uma suspensão que estabelece “medidas para limitar o horário de atendimento dos estabelecimentos onde são servidas bebidas intoxicantes”. É igualmente vedado o porte de armas, exceto para forças de autoridade, segundo descreve o El Espanol. Num país com uma elevada taxa de criminalidade e violência, o intuito da inscrição legislativa para uma medida tão restritiva é o de evitar desacatos no espaço público ou mesmo o de impedir influências indevidas na hora de votar.

GettyImages-2155250641

Bloomberg via Getty Images

A aplicação da medida fica a cargo de cada Estado e afeta estabelecimentos comerciais de venda, cafés, bares e restaurantes. Tanto o Estado do México quanto a Cidade do México suspenderam a venda de bebidas alcoólicas a partir das 00h01 do dia 1 de junho até 23h59 do dia 2 de junho.

Mesmo que sem álcool, mas intoxicados pela vitória do Morena, a festa reuniu milhares na Praça da Constituição, zona emblemática do México, com festejos que louvaram a continuidade da esquerda no governo mexicano.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas