“Os adeptos que fizeram todo o percurso no interior da Academia assumiram um papel em que se confundem com o clube de que dizem gostar, que se sintetiza na frase que gritaram ‘O Sporting somos nós’.  Esse sentimento que lhes tolda a capacidade crítica, fá-los assumir que estavam a exercer um direito próprio de sancionarem os seus próprios atletas (…) Este sentimento pessoal acrescido da noção de que o ‘mundo do futebol’ é ‘um mundo à parte’ leva a que as necessidades de prevenção especial sejam particularmente elevadas”

(Acórdão de 28 de maio de 2020)

18 de novembro de 2019. 44 arguidos, todos eles adeptos do Sporting e um deles ex-presidente do clube, chegam ao Tribunal de Monsanto, em Lisboa, para serem julgados por 40 crimes de ameaça agravada, 19 de ofensas à integridade física qualificada, 38 de sequestro, todos crimes classificados como terrorismo. Só três dos arguidos, Bruno de Carvalho, o líder da claque Juventude Leonina, Nuno Mendes, e o oficial de ligação aos adeptos, Bruno Jacinto, respondem como autores morais desses crimes. O despacho, confirmado por um juiz de instrução criminal, acusa também os outros 41 autores dos crimes de dano com violência, um crime de detenção de arma proibida agravado e um crime introdução em lugar vedado ao público.

Seis meses depois, os mesmos 44 arguidos saem do Tribunal de Monsanto de uma maneira diferente: afinal o que os autores morais fizeram não se provou sequer ser crime e foram absolvidos. Os restantes foram condenados em penas diferentes consoante a sua intervenção na invasão à academia de Alcochete naquele dia 15 de maio de 2018. Uma perspetiva diferente do Ministério Público, que acusou todos por igual, mas mais de encontro à procuradora do Ministério Público que acompanhou o julgamento. Nenhum dos arguidos foi condenado por crimes relacionados com terrorismo e os crimes pelos quais foram condenados nem sequer integram o leque dos crimes considerados como criminalidade violenta, pelo que nenhuma das vítimas – entre jogadores e equipa técnica – terá direito a indemnização.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.