Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“O réu tem sido um sacerdote zeloso, respeitado, com plena aceitação na generalidade dos paroquianos e promotor do progresso social da terra, respeitado pela grande maioria, mesmo os que não são católico-praticantes. É ele pessoa muito amiga das crianças, que costuma, em manifestação de ternura, beijá-las e sentá-las ao colo. A quase totalidade das pessoas de Paião estão convencidas da sua inocência”.

Foi um ano conturbado, aquele que antecedeu a queixa contra o padre António de Sousa por atentado ao pudor. Portugal vivia no Estado Novo e Luís, um vendedor da Figueira da Foz com casa na então aldeia de Paião, era um homem devoto da Igreja. Participava em grupos cristãos e era muito próximo do padre da paróquia, António de Sousa.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.