Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O caminho de Ricardo Rocha da Madeira para as florestas e grutas de todo o mundo, da Finlândia à China, começou quando tinha 7 anos. Ainda criança, recebeu um livro sobre lobos-marinhos que estavam à beira da extinção no arquipélago e descobriu então que queria trabalhar na conservação dos animais. Em 2003, entrou em Biologia na Universidade da Madeira, no ano seguinte mudou-se para a Universidade de Lisboa.

Daqui, foi para o mundo inteiro. “Quando comecei a interessar-me por biologia o objetivo era trabalhar unicamente com espécies ameaçadas na Madeira. No entanto apercebi-me rapidamente que sair e conhecer novas realidades era importante, tanto a nível profissional como pessoal”, contou ao Observador.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.