Entrevista a Tim Oates. “A primeira ideia errada é dizer que hoje a Finlândia está a fazer o que é certo na Educação” /premium

05 Março 20193.720

Crítico do "conto de fadas finlandês", Tim Oates defende que todos cometem o mesmo erro: olham para os anos 2000 como se fosse o período do sucesso, quando é o ano do declínio da Finlândia.

É especialista em quase tudo o que importa em Educação, como o currículo e a avaliação. Sobre o resto, como a aprendizagem ou a formação de professores, poderá não ser especialista, mas é uma voz sempre ouvida quando fala no seu país de origem, o Reino Unido. Tim Oates é professor em Cambridge, num departamento onde não se ensina: o Cambridge Assessment é a maior agência dedicada à pesquisa sobre avaliação na Europa. É ali que o britânico se encontra desde 2006 e é por isso mesmo que não há estudo internacional, como o PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), o TIMMS (que avalia o desempenho a matemática e ciências) ou o PIRLS (que avalia a literacia) que não lhe tenha passado pelas mãos — ou porque para eles contribuiu, ou porque os estudou a fundo.

Pela mão de Michael Gove, ministro da Educação entre 2010 e 2014, quando o Partido Conservador de David Cameron se encontrava no poder, foi-lhe pedido que revisse o currículo nacional britânico. Assim o fez e a equipa liderada por Oates foi responsável pelas alterações de fundo feitas em 2011 ao currículo e à própria estrutura dos ciclos de ensino.

Por ter esse conhecimento de fundo dos estudos internacionais, é crítico daquilo a que chama o conto de fadas finlandês. O problema, conta, é que, quando a Finlândia chegou ao topo do PISA, em 2000, todo o mundo olhou para o país, mas para a linha temporal errada. Foi o trabalho desenvolvido nos anos 1960, 70 e 80 que conseguiu tornar os estudantes nórdicos nos melhores da Europa. Mas é para 2000, quando o sistema educativo já estava em declínio, e para os erros da Finlândia que todos têm andado a olhar. “Absolutamente errado”, diz, com um irrepreensível sotaque britânico.

Tim Oates passou por Lisboa no final de janeiro para participar numa conferência no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade (ISEG) com economistas da educação e, no seguimento desse debate, deu uma entrevista telefónica ao Observador.

Sobre Portugal também tem algumas ideias: aplaude a iniciativa de tentar que exista uma escola sem retenção (o projeto piloto de inovação pedagógico), acredita que a flexibilidade curricular tem riscos e defende que devemos aprender com  os sistemas educativos que têm alto desempenho: coerência curricular, bons professores e bons materiais educativos nas salas de aula, certificados pelos governos.

Há vários anos que analisa os resultados do PISA e de outros relatórios internacionais. Chegou a alguma conclusão que o tenha surpreendido de forma particular?
Há algumas coisas que, embora não nos tenham surpreendido a nós, investigadores, de certeza que surpreenderam outras pessoas. Uma das mais importantes foi sobre a Finlândia. Toda a gente se interessou sobre o caso da Finlândia quando o país chegou ao topo do PISA, em 2000. E, na altura, nós ficámos preocupados com isso. E sabe porquê? Porque conhecíamos a história da Finlândia, sabíamos o que tinha sido feito para chegar àquele ponto do sistema educativo. Mas a verdade é que, de 2000 para cá, os resultados finlandeses nas diferentes provas internacionais têm estado a cair e de forma significativa.
A Finlândia tem hoje um problema de género, há uma diferença grande entre rapazes e raparigas, e a nova abordagem educativa — que toda a gente diz ser tão boa está a levar ao aumento da diferença entre crianças de níveis socioeconómicos diferentes, segundo investigadores da Universidade de Helsínquia. Portanto, hoje, a Finlândia tem um problema de género e um problema social.

E esse problema começou em 2000?
Não. Em 2000, as crianças que conseguiram os bons resultados no PISA tinham 15 anos. Ou seja, é preciso olhar para trás. E mesmo nessa altura, apesar dos bons resultados, já o sistema tinha problemas. Se olharmos para a trajetória de melhoria entre os estudantes finlandeses, ela acontece entre 1960 e 1990.

Então o que está a dizer é que, no caso da Finlândia, temos estado a olhar para a linha temporal errada quando procuramos soluções mágicas?
Absolutamente. É completamente errado olhar para o sistema educativo dos anos 2000. Quando olhamos para o que a Finlândia fez na década de 1960, 70 e 80, percebemos que era completamente diferente do que estava a fazer em 2000. O que se estava a passar com o sistema educativo nesse início de milénio, e até já no final dos anos 1990, está diretamente ligado ao declínio finlandês a que estamos agora a começar a assistir. Mas é para o ano 2000 que toda a gente olha quando vai à procura da história de fadas finlandesa. É um erro absolutamente terrível.

"Toda a gente se interessou sobre o caso da Finlândia quando o país chegou ao topo do PISA em 2000. E, na altura, nós ficámos preocupados com isso. E sabe porquê? Porque conhecíamos a história da Finlândia, sabíamos o que tinha sido feito para chegar aquele ponto do sistema educativo. Mas a verdade é que de 2000 para cá, os resultados finlandeses nas diferentes provas internacionais têm estado a cair e de forma significativa."

Isso quer dizer que, na sua opinião, temos todos andado a olhar para o pior e não para o melhor do sistema educativo finlandês?
Sim, claro. Isto não é apenas o meu ponto de vista. É também o ponto de vista de um investigador chamado Gabriel Heller Sahlgren, que escreveu um livro ótimo intitulado “Real finnish lessons” (tradução livre: “As verdadeiras lições finlandesas”). E é também o ponto de vista de muitos historiadores de educação dentro da própria Finlândia. Não sou só eu que o digo.

Se nos focarmos na linha temporal certa, como defende, qual é, então, a grande diferença entre o que se passava na Finlândia na década de 1970 e nos anos 2000?
Sabemos algumas coisas pelo trabalho de Bill Schmidt e é aqui que os grandes inquéritos internacionais como o TIMMS, o PIRLS e o PISA, em que ele trabalhou, são valiosos. E Bill Schmidt diz-nos que a coerência de currículo é extremamente importante [William Schmidt é um estatístico e professor norte-americano na Universidade de Michigan que investiga os currículos das escolas e as desigualdades sociais entre alunos]. O material que se usa na sala de aula, como os manuais escolares, a avaliação, o currículo, a experiência e os métodos usados pelo professor, tem de ser todo coerente. Tudo tem de se alinhar. Não se deve puxar professores em direções diferentes. E hoje sabemos que esta é uma característica dos sistemas educativos com alto desempenho. Quando o Bill deu uma palestra aqui em Cambridge, enfatizou três coisas como sendo as que verdadeiramente influenciam os sistemas de alto desempenho: o rigor — ser claro sobre aquilo que queremos que os alunos aprendam , o foco e a coerência. É isto que todos os sistemas com boas performances têm em comum. Rigor significa que há bons padrões de ensino e que as crianças são avaliadas para termos a certeza de que os alcançaram.
No seu artigo de 2002, um dos melhores trabalhos que já foi feito sobre o que os bons sistemas possuem, ele aponta para o currículo coerente. E era isso que o sistema finlandês possuía nos anos 1980 e 90: tinha excelentes manuais escolares, tinha professores bem treinados e um currículo coerente.

O que é que se passa agora na Finlândia para o sistema educativo estar a falhar?
Na altura, as escolas não eram muito autónomas, havia um currículo nacional e o Estado garantia que os manuais escolares eram consistentes. Tanto eu como o Bill acreditamos que isso foi muito importante durante esses anos. Se falar com qualquer educador finlandês, vai ouvir a mesma resposta: as forças do sistema finlandês são a formação dos professores e recursos escolares de alta qualidade. Entretanto, as escolas finlandesas tornaram-se mais autónomas, embora não tanto quanto as pessoas pensam, até porque continua a haver muita avaliação interna, e houve algumas mudanças na sociedade. Alguns dos problemas que aconteceram na Finlândia não foram percebidos por quem estava a olhar de fora: a partir de 2000, fecharam algumas pequenas escolas rurais e houve muita competição entre escolas. Isto gerou tensão nas zonas urbanas e uma grande variação de qualidade entre escolas e dentro delas, o que levou a estes problemas estruturais.

E acha que hoje temos um sistema educativo em declínio na Finlândia?
Sim. Não estou a atacar o sistema finlandês, estou só a tentar que a imagem seja muito clara.

"É completamente errado olhar para o sistema educativo dos anos 2000. Quando olhamos para o que a Finlândia fez na década de 1960, 70 e 80 percebemos que era completamente diferente do que estava a fazer em 2000. O que se estava a passar com o sistema educativo nesse início de milénio, e até já no final dos anos 1990, está diretamente ligado ao declínio finlandês que estamos agora a começar a assistir. Mas é para o ano 2000 que toda a gente olha quando vai à procura da história de fadas finlandesa. É um erro absolutamente terrível."

Quando fala do conto de fadas finlandês, diz que temos muitas ideias erradas sobre o que lá se passa. Quais são as principais?
A primeira ideia errada que temos é a de que o que se está a fazer agora é certo. Não fazemos ideia se o que a Finlândia está a fazer agora é correto. Não sabemos se vai travar o declínio. O que sabemos é que o sistema educativo está, de facto, em declínio e é preciso fazer alguma coisa. Francamente, eu faria o que eles fizeram no passado e não o que estão a fazer agora. Sabemos que o que a Finlândia fez no passado funcionou. E o que fizeram no passado é o que Xangai e Singapura fazem agora. E esses países continuam a melhorar.

Quando falamos de desempenho a Matemática, os países asiáticos aparecem sempre em lugares cimeiros. No entanto, nunca levantaram o mesmo zumbido que a Finlândia. A que se deve esta diferença? Questões culturais?
Se alguém aparece no topo do PISA, como aconteceu com a Finlândia em 2000, toda a gente vai olhar para esse país. Em Inglaterra, olhamos para Singapura e para Xangai. Temos usado os resultados do PISA para identificar a natureza do alto desempenho em Xangai e imediatamente demos início a um processo de troca de professores. Os de Xangai vêm a Inglaterra e aprendemos com eles. Os nossos vão até lá e nós aprendemos com isso. Também passámos em revista os manuais escolares de Xangai e de Singapura e introduzimos novos manuais em Inglaterra.

E essa aprendizagem com os sistemas de Xangai e de Singapura está a funcionar?
Sim. Houve uma avaliação recente e ela é muito clara: mostra que a intervenção não está a funcionar em todas as escolas, mas não funciona nas escolas que não estão a fazê-lo como deviam. Nas escolas que estão a implementar as novas abordagens com fidelidade, os padrões estão a elevar-se e de forma significativa.

Então o que podemos aprender com os métodos asiáticos?
Podemos aprender muito, apesar de haver variações culturais entre Portugal e Xangai ou entre Inglaterra e Hong Kong. Claro que há diferenças culturais. A atitude dos pais é diferente, a história de como as crianças se comportam na escola é diferente. Mas quando se olha para a pedagogia, para a forma como as perguntas são feitas na sala de aula, a forma como é despendido muito mais tempo em determinadas ideias para ter certeza que todas as crianças as percebem, a forma com as tarefas são cuidadosamente estruturadas e muito focadas na ideia matemática concreta, a maneira como as tarefas vão variando e como os livros de fichas são usados para encorajar as crianças a pensar a matemática fora da sala de aulas… Tudo isso pode ser usado em Portugal ou em Inglaterra. E sabemos que esse tipo de abordagem ajuda todas as crianças a melhorarem as suas capacidades matemáticas.

Acha que as escolas estão a falhar ao não garantirem que todas as crianças aprendem?
O que sabemos sobre Xangai é que o sistema é muito dirigido aos professores, mas é da melhor forma que pode ser: é muito interativo, os professores fazem muitas perguntas a todas as crianças em todas as aulas. Se uma criança em particular, num grupo de 30, não tiver percebido o que devia naquela lição, o professor vai saber disso e vai dar apoio imediato àquela criança. Existirá uma intervenção direta e vão ser criadas atividades adicionais para que ela nunca fique para trás. Devíamos estar a fazer isso em todos os países e em todas as lições, todas as aulas, seja na matemática ou na língua materna. É uma questão de treino de professores. A avaliação bem pensada também tem de fazer parte do processo de aprendizagem.

Está na altura de mudarmos a forma como avaliamos os alunos? Estamos apenas a focar-nos nas notas?
Devíamos usar muito mais avaliação no dia a dia, não para dar notas aos alunos, mas para perceber se eles perceberam as ideias e dominaram o conhecimento.

Está a falar de avaliação diária na sala de aula?
Sim. Boas perguntas que estimulem o conhecimento, que estimulem a aprendizagem, que estimulem o raciocínio e que permitam perceber se uma criança entendeu aquela matéria.

"O material que se usa na sala de aula, como os manuais escolares, a avaliação, o currículo, a experiência e os métodos usados pelo professor tem de ser todos coerentes. Tudo tem de se alinhar. Não se deve puxar professores em direções diferentes. E hoje sabemos que esta é uma característica dos sistemas educativos com alto desempenho. "

O que é uma boa pergunta?
Se pegarmos em algo como ciência: eu tenho um copo de água, há um cubo de gelo na água, irá o nível da água levantar se o cubo derreter completamente? Esta é uma ótima pergunta. Em matemática, deve variar-se os problemas. Se o objetivo é perceber se o aluno sabe dividir algo em metade e depois num quarto, é preciso apresentar-lhe essa ideia numa variedade de formas. Faz-se a pergunta sobre diferentes formas geométricas, sobre diferentes objetos, faz-se com volume, com área, com números… Só assim se desenvolve um verdadeiro entendimento matemático. Isso é o que as perguntas devem ser.

Com boas perguntas, as crianças estão ao mesmo tempo a aprender a raciocinar e não apenas a memorizar?
Sim. Mas repare: nós também queremos que elas memorizem e que se lembrem das coisas. Na Estónia, onde se diz que existe um currículo baseado em competências, é esperado que as crianças memorizem as tabelas da multiplicação, tal como em Xangai, e elas memorizam-nas antes ainda de as entenderem. Porque é necessário tê-las memorizadas para fazer trabalho que ajuda a perceber a multiplicação.

O anterior diretor do IAVE, a instituição que cria e avalia os exames e provas nacionais, defendeu, numa entrevista ao Observador, que dois alunos com a mesma avaliação numérica não aprenderam exatamente a mesma coisa. Concorda?
Sim, claro. Sempre que se resume o conhecimento de uma criança numa nota, seja em que sistema de educação for, estamos a perder informação. E essa afirmação está certa. Pessoas que têm exatamente a mesma nota, na maioria dos sistemas de avaliação, podem chegar a essa nota fazendo coisas completamente diferentes. De qualquer forma, não é desse tipo de avaliação que estou a falar. Estou a falar do tipo de avaliação usada para garantir que todas as crianças percebem todas as ideias chave. Só assim iremos conseguir melhores resultados e maior equidade.

Em Portugal está a decorrer um projeto piloto onde algumas escolas estão a tentar que não haja retenção dos alunos. A alternativa a chumbar é aprender. O que acha deste tipo de experiência?
Em Xangai, as crianças não são colocadas em grupos diferentes consoante as suas aprendizagens e origem. E atingem resultados maravilhosos quando se tenta garantir que todas as crianças aprendem, seja qual for a sua origem social. Este tipo de experiência em Portugal deveria ser apoiada, parece-me bastante positiva. Mas tem de se ter certeza de que estamos a falar de alta conquista e alta equidade na educação e conhecimento, e não um a sacrificar-se em prol do outro.

Outra das novidades em Portugal foi a flexibilidade curricular, que, depois do projeto piloto, foi generalizada a todas as escolas do país no atual ano letivo. As escolas ganham alguma autonomia na forma como gerem o currículo e os métodos de ensino. Na sua opinião, esta opção tem riscos?
Essa foi uma recomendação feita há uns anos, de que as escolas deveriam ter uma liberdade de 25% nos currículos. Apesar disso, acho que há alguns riscos. E um dos riscos é a interpretação que fazemos dela, porque precisamos de ter um currículo principal, o de core, onde está a matemática, as ciências, a literacia, e temos de nos assegurar que o resto do currículo, em áreas como história, geografia, é dado a todas as crianças. Se introduzirmos alguma liberdade nas escolas, temos de garantir que esse quota do conhecimento principal não se perde. Todas as crianças devem ter acesso a ele. Mas, voltando atrás… Posso falar um bocadinho sobre retenção?

Claro que sim.
A investigação sobre retenção é muito variada e eu sei que, obviamente, em Portugal, há níveis de retenção muito elevados, sei que subiu quando o governo anterior introduziu os testes formais, e depois, imediatamente a seguir, caiu. Isso foi uma coisa boa. O que fez é que obrigou o sistema inteiro a ajustar-se a padrões mais altos e mostra que o sistema português é capaz de se ajustar a padrões elevados para todas as crianças. Mas um dos aspectos-chave é que Portugal tem de olhar para as suas estatísticas sobre retenção, para examinar quem está a ficar retido e porquê.

Não há grandes dúvidas. O padrão é sempre o mesmo e atinge essencialmente as crianças de classes sociais mais baixas.
Exato. Para além disso, aquelas que começaram a escola obrigatória muito cedo também são mais vulneráveis à retenção. Por isso, penso que em Portugal precisam de examinar o padrão da retenção e estudar que estratégias e intervenções podem ser usadas para travá-la. Acho que isso poderia melhorar a qualidade de educação para todas as crianças.

"A investigação sobre retenção é muito variada e eu sei que obviamente em Portugal há níveis de retenção muito elevados, sei que subiu quando o governo anterior introduziu os testes formais, e depois, imediatamente a seguir, caiu. Isso foi uma coisa boa. O que fez é que obrigou o sistema inteiro a ajustar-se a padrões mais altos, e mostra que o sistema português é capaz de se ajustar a padrões elevados para todas as crianças." 

Tem alguns conselhos para o Governo português nesta matéria?
Não, até haver investigação feita sobre o tipo de criança que está a ficar retida. O que aconteceu com o último governo mostra-nos que podem realmente elevar os padrões para todas as crianças.

Também tivemos uma boa evolução no PISA. A que se deveu, na sua opinião?
Acho que a introdução das provas nacionais levantou as expectativas dos professores e esses testes mais formais permitiram aos professores saber que crianças percebiam e não percebiam a matéria. Isso foi importante. A introdução de bons manuais escolares também foi importante e sei que foi dada alguma atenção à qualidade do material pelo anterior governo. Há evidências internacionais que mostram que isso foi muito importante.

Os manuais escolares são fundamentais para termos bons resultados?
Sim. A qualidade dos professores, a qualidade dos materiais, a coerência entre o currículo e os materiais usados na sala de aula e a prática educativa. Portugal deu passos muito bons.

Ainda há coisas que Portugal esteja a fazer mal ou em que possa melhorar na Educação?
Enfatizava estas coisas: relaxar o currículo nacional e relaxar a avaliação nunca são boas ideias.

No Reino Unido, depois das mudanças operadas no currículo nacional, os críticos diziam que ele se tinha tornado muito limitado. Aqui, os professores queixam-se de que o currículo é um monstro. Não há um equilíbrio entre os dois?
Sim, existe um lugar a meio caminho. A sobrecarga do currículo deve ser evitada porque isso significa que as escolas, e os professores individualmente, têm de fazer as suas próprias escolhas sobre o que é importante. Nós já sabemos que isso abre diferenças entre escolas e dentro das próprias escolas. A sobrecarga de currículo é um problema real e deve ser evitada. Em segundo lugar, há críticos em Inglaterra que dizem que limitamos demais o currículo. Mas precisávamos de fazê-lo. O que estava a acontecer era termos crianças a passar para o equivalente ao vosso 2.º ciclo sem serem capazes de ler. Quando nos focámos na importância de ler, a nossa posição internacional melhorou de forma dramática. Num período de tempo muito curto, passámos de 12.º para 8.º no PIRLS. Foi muito bom. O que eu digo é: não há nada tão limitado como não ser capaz de ler. Podemos ler sobre o céu, a ciência ou sobre os nossos amigos. Se não souberes ler… isso é limitador. Foi correto limitarmos o currículo para ter certeza de que todas as crianças sabiam ler.

Acha então que é melhor escolher um currículo com menos matéria, mas maior profundidade?
Absolutamente. E é isso que encontramos em Xangai e Singapura: menos matéria, mas mais aprofundada, as crianças a precisarem de mais tempo para aprender, os professores a saberem qual é o foco do currículo e a garantirem que todas as crianças sabem tudo.

Na sua opinião, qual é o currículo essencial que nenhuma criança deve falhar?
Nos primeiros anos, é essencial saber ler e escrever, porque não é uma coisa natural. É importante ter discussões ricas em todas as matérias para desenvolver a oralidade e a habilidade para trabalhar com outras crianças. É essencial saber conceitos científicos fundamentais, que são importantes para perceber outros conceitos de história ou de geografia, por exemplo. Literacia, matemática, ciência e, claro, cultura. Literatura, história e geografia, educação física. As crianças têm de ser ativas pela sua saúde, a atual e a futura. Devem saber organizar-se e trabalhar de forma colaborativa com os outros. Sabemos que as boas escolas têm isso presente em tudo o que as crianças fazem.

Ter esse currículo bem fundamentado desde cedo faz diferença no percurso académico futuro dos jovens?
As pessoas, hoje em dia, fazem muito esta distinção entre conhecimento e competências. É uma falsa distinção. E porque algumas pessoas enfatizaram a parte das competências, negligenciaram o conhecimento. O que sabemos define-nos. Sabemos isso quando as pessoas começam a perder a memória — nesse momento, deixam de ser eles próprios. Tu és o que tu sabes. E o conhecimento é fundamental para o desempenho. Toda esta discussão entre uma coisa e outra é absurda.

Ou seja, sem conhecimento não conseguimos adquirir as competências?
Precisamente. O conhecimento é essencial. E se nos lembramos das coisas, se temos a matéria na nossa memória de longa duração, então conseguimos desempenhar tarefas complexas.

Olhando para o outro verso da moeda: há lições a aprender com os países que se saem mal nos estudos internacionais?
Há muitas variações nos motivos que levam diferentes sistemas a passarem por problemas, mas todos tendem a ter algumas coisas em comum: pouca coerência, falta de currículo nacional, incoerência entre o currículo e os materiais escolares, professores mal formados e com pouca qualidade e salas de aulas com muitos, muitos alunos. Quando o número de alunos por sala se eleva, torna-se problemático. Há muitos estudos que nos mostram que nos países em desenvolvimento, que agora conseguem que as crianças vão à escola — e, há 10 anos, nem isso conseguiam , o que acontece na sala de aulas simplesmente não tem qualidade. E é por isso que as crianças não estão a fazer progressos nos anos iniciais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)