Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A conversa era para ser apenas sobre flexibilidade curricular, que no próximo ano letivo chega a todas as escolas, mas acabou por ser muito mais do que isso. O objetivo era perceber como vai o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), que a cada ano planeia, concebe e valida provas de aferição e exames nacionais, preparar-se para o desafio de cada escola poder gerir livremente o seu currículo até ao máximo de 25%.

A resposta de Helder Sousa é surpreendente: não vai haver provas para a flexibilidade. No fundo, o que espera o diretor do IAVE é que com a flexibilidade os alunos estejam mais preparados para fazer exames, embora para isso seja preciso deixarem de se preparar para os testes. Paradoxal? Nem por isso, se seguirmos com atenção o seu raciocínio.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.