Lauda versus Prost. Quando o Estoril foi cenário de uma decisão de título de Fórmula 1

27 Novembro 2016

No dia em que se decide o título de campeão da Fórmula1, lembramos o dia em que o Estoril serviu de palco à decisão do campeonato entre Niki Lauda e Alain Prost. Falámos com quem lá esteve em 1984.

A ansiedade de um campeão, normalmente confiante, e a tranquilidade de um piloto, normalmente ansioso, à procura do seu primeiro título. A última corrida da temporada de Fórmula 1 trouxe para a disputa do campeonato os dois pilotos que monopolizaram a temporada, ambos da mesma equipa. Os dois representavam, de maneira geral, estilos diferentes de pilotagem e, caso vencessem, deixariam o seu nome na história por diferentes motivos.

A descrição acima poderia ser sobre Lewis Hamilton e Nico Rosberg, que disputam, este domingo, o título mundial de pilotos, no Grande Prémio de Abu Dhabi. Hamilton busca o seu tetracampeonato para superar alguns dos seus ídolos, como Ayrton Senna e Jackie Stewart, e igualar em número de títulos Alain Prost e Sebastian Vettel. Do outro lado, Rosberg chega à última corrida com a liderança nos pontos e a melhor oportunidade da sua carreira de tornar-se campeão da Fórmula 1 pela primeira vez.

Mas não é de Lewis e Rosberg que fala o primeiro parágrafo deste texto. Marcha atrás engrenada e vamos recuar 32 anos, corriam nas pistas dois dos maiores pilotos da história da Fórmula 1: Niki Lauda e Alain Prost. Em 1984, ambos a representar a McLaren, decidiram o campeonato na última corrida, com Lauda a ir atrás do tricampeonato mundial, enquanto Prost estava a lutar pela sua primeira conquista na categoria. Para além da importância histórica dos dois pilotos, há outro motivo pelo qual aquela disputa foi especial para os aficionados do automobilismo em Portugal: a corrida aconteceu na estreia do Circuito de Estoril na Fórmula 1, a 21 de outubro daquele ano.

“Foi um realizar de sonhos. Como passados 20 anos, tivemos [os jogos da fase preliminar de qualificação para] o Europeu de Futebol em Portugal, acho que foi mais ou menos a mesma coisa, o português sempre gostou de corridas de automóvel. Ter aqui todos os grande nomes da velocidade era especial”, relembra Domingos Piedade, um dos portugueses que mais história tem para contar sobre Fórmula 1.

Domingos foi jornalista, ex-vice-presidente da AMG-Mercedes, manager dos pilotos Emerson Fittipaldi e Michele Alboreto e administrador do Circuito do Estoril. O Observador conversou com ele sobre aquela corrida inaugural no Estoril, considerada o primeiro contacto verdadeiro de muitas pessoas com o espetáculo da Fórmula 1.

Domingos Piedade relata que as negociações para trazer a categoria para o país não demoraram muito, devido ao trabalho “extraordinariamente ativo” de Alfredo César Torres, então presidente do Automóvel Clube de Portugal e um dos principais responsáveis por trazer a Fórmula 1 a Portugal, num acordo com Bernie Ecclestone, diretor-executivo da Fórmula 1, com quem se dava “muitíssimo bem”.

Para o ex-administrador do circuito, “em 1984, apesar de já ter 12 anos de idade, o Estoril era um circuito moderno, um dos melhores que havia na Europa”.

Stefan Johansson of Sweden drives the #20 Toleman Group Motorsport Toleman TG184 Hart Straight-4 turbo ahead of Niki Lauda during the Portuguese Grand Prix on 21st October 1984 at the Autodromo do Estoril in Estoril, Portugal. (Photo by Mike Powell/Getty Images)

Stefan Johansson (à frente) e Niki Lauda (atrás), no Grande Prémio de Portugal, em Estoril, 1984 (Mike Powell/Getty Images)

Domingos esteve envolvido diretamente na realização da corrida, quando colaborou com os peritos da Câmara Municipal de Cascais para a adaptação da pista para os padrões exigidos pela categoria. Esteve com os profissionais nos circuitos de Nürburgring, na Alemanha, e em Spa-Francorchamps, na Bélgica, para ajudar na aprendizagem técnica necessária. “O mais importante foi adaptar o circuito, que estava um pouco antiquado, sobretudo o pavimento, que foi todo renovado, num trabalho excelente feito pelos engenheiros da Câmara Municipal de Cascais. Eles estiveram na Alemanha e na Bélgica comigo, uns cinco, seis meses antes da realização do GP, para visitar tanto Nürburgring como Spa, e vieram com as informações do que era preciso fazer no asfalto do circuito”, explica.

O ex-jornalista recorda da “excitação” dos seus companheiros de imprensa com a volta da Fórmula 1 a Portugal, naquele ano. O país não recebia uma corrida da categoria desde 1960, quando aconteceu uma etapa no autódromo da Boavista, na cidade do Porto. “Tínhamos uma mão cheia de jornalistas portugueses que já faziam Fórmula 1, não é que tivessem vindo da Lua, sabiam tanto quanto os jornalistas ingleses, franceses e italianos mais conceituados da época”, reconhece.

Capas de jornais, durante o fim de semana do Grande Prémio de Estoril, em 1984

Domingos explicou que também sentia esta “excitação” do público, mas não partilhava necessariamente deste sentimento. “Não tinha esta expectativa, estava mais na esperança de que tudo corresse bem no que diz respeito à realização da corrida em si”, disse.

Voltemos à corrida em si. Naquele dia de outubro, Domingos Piedade ia fazer comentários para a RTP, que transmitia a corrida em direto. A cabine era junto à garagem da equipa McLaren e ao seu lado estava Marlene Knaus, então esposa de Niki Lauda. Aquela era a primeira vez que Marlene assistia a uma corrida de Fórmula 1 desde 1976, quando Lauda sofreu um acidente no circuito de Nurburgring, na Alemanha, no qual que quase morreu queimado.

“Lembro-me que estava a fazer o comentário para a televisão, com intervenções que fazia da boxe e estava ao lado da Marlene [Klaus] durante a corrida e tive oportunidade de ver o nervosismo em que ela estava”. Segundo o empresário, o seu nervosismo apenas desapareceu com o fim da corrida, quando ficou “eufórica” com o tricampeonato do piloto.

1984: Marlboro McLaren drivers Alain Prost of France and Niki Lauda of Austria stand on the winners'' podium after the Portuguese Grand Prix at the Estoril circuit in Portugal. Prost finished in first place and Lauda in second. Mandatory Credit: Mike Powell/Allsport

Niki Lauda tornou-se tricampeão do mundo no Estoril, 1984 (Mike Powell/Allsport)

Outra presença destacada naquela corrida, com grande notoriedade nas revistas e jornais na semana da corrida, foi a da princesa Stéphanie do Mónaco. “Ela veio a Portugal, porque possivelmente na altura era companheira de um dos pilotos, mas não quero entrar em pormenores, era um insider e continuarei a manter a minha discrição neste aspeto”, diz, em tom de brincadeira guardando o seu segredo.

Sobre a rivalidade entre Prost e Lauda, na disputa do título daquele ano, acredita que o clima entre os dois naquela temporada era “normal”, pois tinham o mesmo “equipamento, talento e nível”. “Quando há dois pilotos de primeira na mesma equipa, é lógico que a rivalidade seja muito grande. Existe hoje entre o Rosberg e o Hamilton, existiu entre o Ayrton e o Prost, existia entre o Piquet e o Mansell, é o normal. Uma das regras da Fórmula 1 é que o primeiro adversário que tem de bater é o seu companheiro de equipa e logo vêm os outros”.

Domingos tem dificuldade de escolher o seu favorito, pois não admira o estilo de pilotagem de nenhum deles. “Os dois eram muito frios, táticos e calculistas, não tinham o estilo de Gilles Villeneuve ou, de hoje, do Lewis Hamilton ou do Max Verstappen, que são mais agressivos, guiam com raça”.

Em 1984, Domingos trouxe uma inovação para as pistas. Iniciou a sua relação com a empresa AMG, na qual mais tarde assumiria o cargo de vice-presidente. A partir desta ligação, introduziu no Estoril, pela primeira vez na Fórmula 1, o medical car, carro de assistência médica presente em todas as corridas. O veículo, um modelo Mercedes com motor V8, serve para a prestação de serviços médicos de maneira mais rápida que uma ambulância. “Estreamos em Portugal o que, na época, chamamos de medical car, foi a primeira vez que houve um carro dedicado a assistência médica. Fomos logo em seguida ao [Grande Prémio do] Brasil e a partir daí faz parte da Fórmula 1 até hoje”, afirma, orgulhoso.

Palmer: o sobrenome que liga Estoril 1984 e Abu Dhabi 2016

Estoril (1984) e Abu Dhabi (2016) têm em comum o facto de serem o cenário da disputa final do título de Fórmula 1. Há, no entanto, outra curiosidade que une os dois circuitos, separados por 32 anos: o sobrenome Palmer. Durante a etapa portuguesa, em 1984, estava presente Jonathan Palmer, pai de Jolyon Palmer, atual piloto de Fórmula 1, da equipa Renault.

Jonathan Palmer corria pela equipa Skoal Bandit, uma das menos velozes do campeonato. Naquela corrida, o jornal A Bola trazia um breve perfil do britânico, que descrevia como o “piloto médico”, por ter trocado a “medicina pelas altas velocidades”.

Questionado pela publicação sobre as suas expectativas para a corrida no Estoril, disse que estava animado por correr em Portugal, mas sabia que estaria entre “os mais lentos”. “Como é hábito, devemos ser os mais lentos em pista, juntamente com o Spirit e os Osella… mas é bom vir correr a Portugal e a um novo circuito”, afirmou.

Palmer não conseguiu terminar a corrida, devido a um problema na caixa de velocidade.

Para a disputa deste domingo, Domingos não esconde a sua preferência. “Acredito que o Nico vá ganhar o título, mas gostava que fosse o Lewis”.

O circuito do Estoril viu ainda o talento de Ayrton Senna brilhar pela primeira vez, em 1984 – ano da sua estreia na Fórmula 1. Com a modesta equipa Toleman, conseguiu terminar a corrida no terceiro lugar, após o abandono de Nigel Mansell e de ter conseguido aguentar a pressão de Michele Alboreto até à volta final. Aquela que seria a última vez que a Toleman subiu ao pódio. No ano seguinte, no Estoril, Senna ganhou a sua primeira corrida na Fórmula 1, já na equipa Lotus.

Para Domingos, em 1984, Ayrton ainda não era uma “estrela” e sim um “menino que tinha acabado de chegar à Fórmula 1”. “Ayrton chegou em terceiro, mas aquele não era o lugar dele. Em 1985, quando ganhou [a corrida] na chuva, já ganhou no braço. Não digo que o terceiro lugar foi ‘herdado’, mas sim pelas incidências da corrida, era um menino que tinha acabado de chegar à Fórmula 1. Estrela, mesmo, só foi em 1985, claro que todos o conheciam da Fórmula 3, ele ganhou todos os campeonatos por onde havia passado, todos sabiam que havia ali um pilotaço”, assegura.

ESTORIL - OCTOBER 21: Lotus driver Ayrton Senna of Brazil in action during the F1 Portuguese Grand Prix held on October 21, 1984 at the Estoril circuit in Portugal. (Photo by Mike Powell/Getty Images)

Ayrton Senna (capacete amarelo) correu em Estoril 1984 com a equipa Toleman, naquela que foi a sua primeira temporada na Fórmula 1

O empresário ressalva, no entanto, que aquela não foi a primeira vez de Senna no Estoril. “Toda a gente tinha atenção especial com ele, porque falava português e era jovem, mas já tinha corrido no Estoril, em 1978, em kart, portanto não era um desconhecido, era alguém de quem o público já gostava”.

Domingos avalia de maneira positiva a corrida do Estoril, em 1984. “Correu tudo lindamente, o público esteve presente em massa, claro que houve muitos problemas de organização, mas fazia parte do evento”. No entanto, disse que “já naquela altura havia uma tensão muito grande entre a Federação [Portuguesa de Automobilismo e Karting, FPAK], o Automóvel Clube de Portugal, a organização do Grande Prémio e os proprietários do circuito”, mas disse que preferia “não se referir a estas questões”.

Acredita que “tal como a Fórmula 1 está hoje em dia”, é difícil imaginar que o Circuito do Estoril possa voltar a receber um Grande Prémio de Fórmula 1, algo que não acontece desde 1996. “O Circuito do Estoril passou de moda, não em termos de traçado, podendo inclusivamente ser usado para testes, mas já não tem as instalações que a Fórmula 1 necessita hoje em dia, não temos espaço suficiente de paddock, não tem instalações para o apoio técnico, para a imprensa, que são exigências da Fórmula 1. A última vez [que o circuito recebeu a categoria] foi em 1996, portanto há 21 anos que se realizou o último Grande Prémio. O investimento é muito grande para se colocar essa hipótese. Não sei nem se teríamos espaço para colocar tudo aquilo que é o mundo da Fórmula 1″, lamenta.

E o Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, que abriga diversas competições internacionais? “Se conseguíssemos ter no [circuito do] Algarve, o que há à volta do Estoril com um aeroporto privado a 100 quilómetros, um aeroporto internacional a 20 quilómetros, uma cidade perto com um milhão e e meio de habitantes, cento e tantos hotéis de quatro e cinco estrelas num raio de 50 quilómetros, então sim”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)