Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O texto em que o atual presidente do Tribunal Constitucional se declara anti lobby gay e em que fala da “minoria” homossexual é apenas um dos 47 que João Caupers escreveu para a rubrica “Pontos de Vista”, que criou no site da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. Algumas dessas crónicas, que, segundo o próprio, foram ou mais “graves” e amargas ou mais ligeiras e tolas, mereceram centenas de respostas na sua caixa de e-mail, umas mais  favoráveis, outras mais críticas. Ainda assim, o juiz conselheiro não se arrepende do que escreveu: sobre a Europa, e também a troika e Passos Coelho, ou mesmo sobre Miguel Relvas e, até, Cristiano Ronaldo. Caupers até admite continuar a escrever, mas enquanto membro do Tribunal Constitucional garante não ser recomendável tornar os seus escritos públicos.

“Não me arrependo. As circunstâncias aconselham-me a pôr um ponto final nos meus pontos de vista. Não porque vá deixar de os ter, mas porque as funções que vou assumir recomendam que os não torne públicos”, justificou João Caupers no texto de despedida que fez para o espaço do site da Faculdade, para o qual muitos outros académicos contribuíram, incluindo a então diretora da faculdade. Foi aliás Teresa Pizarro Beleza que publicou esse texto de despedida assinado a 28 de fevereiro de 2014, quando anunciava que João Caupers acabava de deixar a presidência do Conselho Científico e uma parte dos seus encargos letivos na Faculdade para servir como juiz conselheiro no Tribunal Constitucional.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.