Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É só o começo e dura uma vida. Nem sempre é um céu, ou um mar de rosas, e seja qual for o lugar comum eleito, é verdade que a maternidade encerra os seus espinhos e angustiantes descidas ao inferno. Mas serão os aspetos mais desafiantes de um longo e complexo processo capazes de comprometer a magia de quem recebe a chegada de um filho? “Surgem, cada vez mais, artigos de opinião sobre as experiências da maternidade como se ela fosse, sobretudo, negativa”, rebate o psicólogo Eduardo Sá, que no mais recente livro promete guiar os leitores, decifrando mistérios e desfazendo medos e dramas, dos meandros da gravidez até à vida do bebé quando nasce. “Quando Eu Estava na Tua Barriga” é para a futura mãe, jovem ou menos jovem, casada ou solteira, a viver com outra mulher ou com outro homem, a ter o primeiro filho ou os seguintes, e para as famílias em geral.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.