830kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

A julgar pela quantidade de gente que abandonou o recinto depois de a ver em palco, Luísa Sonza parece capaz de mover multidões
i

A julgar pela quantidade de gente que abandonou o recinto depois de a ver em palco, Luísa Sonza parece capaz de mover multidões

Marisa Cardoso

A julgar pela quantidade de gente que abandonou o recinto depois de a ver em palco, Luísa Sonza parece capaz de mover multidões

Marisa Cardoso

Rock in Rio Lisboa: a exuberante (mas pouco espontânea) Doja Cat, a caótica Camila Cabello e os vencedores Luísa Sonza e Pedro Sampaio

Último dia esgotou para ver a rapper norte-americana, assim como uma atribulada atuação de Camila Cabello. Mas foram os brasileiros Luísa Sonza e Pedro Sampaio que lideraram a festa.

A edição que assinalou os 20 anos do Rock in Rio em Lisboa chegou ao fim já na madrugada desta segunda-feira, 24 de junho, após três dos quatro dias esgotados. O Parque Tejo — que já está confirmado como palco do evento em 2026 — recebeu novamente 80 mil pessoas num dia em que a faixa etária dominante começava nos 15 anos para não terminar muito longe dos 25.

Os concertos do Palco Mundo, inaugurado pelos acordes de Los Ángeles, de Aitana — nome que se tornou conhecido na Operação Triunfo em Espanha e que fez aquilo que se esperava dela, interpretando Mon Amour, Vas a Quedarte, Akureyri e Aqyne logo às 16 horas —, foram muito pouco espontâneos, com os sons brasileiros de Luísa Sonza e Pedro Sampaio a revelarem ser demasiado importantes para o público português para ficarem confinados ao Palco Galp.

Ne-Yo, o único homem a atuar no Palco Mundo neste último dia, começou a cantar às 18 horas em ponto com uma das preferidas do público, Closer: ao segundo verso, já o público estava aos gritos juntamente com o norte-americano. Bastaram dois temas, os que deram início ao alinhamento, para juntar milhares. Todo de preto, chapéu incluído, sob um calor abrasador, Ne-Yo conduziu uma hora em modo non-stop.

“Como estão todos? O meu nome é Ne-Yo. Prazer em conhecer-vos a todos”, disse o artista de R&B, antes de explicar que se ia “cantar um pouco, bater palmas um pouco, dançar um pouco”. O público, obediente por ser fã ou por se deixar levar pela onda, saltou, gritou, bateu palmas e dançou sempre que o músico pediu. O próprio, jurado do programa Feras da Dança, da Netflix, fez o que dele se esperava. Explicou que os seus concertos são compostos por dois tipos de músicas: os “clássicos clássicos” e “os futuros clássicos” (os temas mais recentes que ainda vão crescer, se bem entendemos). E dos primeiros houve muitos: Because of You, Sexy Love, So Sick, Miss Independent ou You Should Let Me Love You seguiram-se num corrupio de conhecidos ritmos dos anos 2000, deixando espaço para os singles mais recentes como She Knows.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O americano Ne-Yo e a brasileira Luísa Sonza, uma das mais aplaudidas da noite

Marisa Cardoso

Além de ter três Grammy no currículo e de ser compositor dos próprios temas, é autor de canções de canções ficaram conhecidas nas vozes de outros artistas. Seguiu-se uma espécie de medley com Take a Bow (que fez para Rihanna) e Irreplaceable (Beyoncé). Quem não estava ali por Ne-Yo, sempre acabava por marcar pontos. Give me Everything encerrou a atuação com confetis e colorirem o palco de vermelho e branco às 19h01. O público deu-lhe tudo, pelo menos o que ele pediu, num concerto pré-formatado — sem improvisos nem interações além das ensaiadas — testado e eficaz.

As atenções dividiram-se depois por dois palcos. No Galp, Anselmo Ralph começou a cantar às 19 horas. Porém, ou o público estava bastante próximo do palco, ou pouco ouvia, tendo em conta o DJ que fazia por rebentar as colunas na zona do Palco Mundo. O Palco Tejo recebeu à mesma hora MC Cabelinho e o espaço parecia pequeno para a quantidade de pessoas que queriam cantar Carta Aberta e Vamo Marolar com o artista brasileiro

O Palco Mundo transformou-se numa espécie de parque infantil para receber a estreia de Camila Cabello a solo em Portugal. I Luv It deu o mote para uma dança de lobos encapuzados (ou lobas), com a cantora escondida debaixo de uma das máscaras. Revelou-se no final da canção perante o júbilo do público. Ao terceiro tema, Sangria Wine, as bailarinas que continuavam a dançar em torno dela ajudaram-na a despir o resto do macacão para revelar botas pretas acima dos joelhos, boxers pretos, biquíni e top metalizados. Também teve direito ao famoso wardrobe malfunction com três tentativas para vestir uma casaco preto de penas.

“Como estão, Lisboa? Como é que se sentem por serem dos primeiros públicos a ouvir alguns dos temas de C, XOXO [álbum que deverá ser editado a 28 de junho]?” O alinhamento estava repleto de novidades, como B.O.A.T., Chanel No.5 ou Koshi XOXO, o que não deixou espaço para que a multidão se mostrasse efusiva como esperava — quando não se conhecem as canções, não fica tão fácil.

Camilla Cabelo deslizou pela pista de skate, andou à pendura numa bicicleta, foi empurrada num baloiço e partilhou o carrossel com as amigas, mestres do twerk. A cantora desdobrou-se em danças, muitas vezes em cima da plataforma de skate que ficava na lateral esquerda do palco, o que significa que quem ficou instalado desse lado do recinto (o direito, de frente para o palco) passou grande parte da atuação a vê-la apenas através de ecrãs.

Cabello esteve sempre empenhada no namoro com a câmara. Foi sobretudo para ela que cantou, já que perto do público só chegou realmente uma vez, quando desfilou pelo corredor central para ler cartazes e revelar que no dia anterior lhe ensinaram a dizer “Parabéns, Portugal” [pela vitória frente à Turquia no Euro 2024] e “Cristiano Ronaldo”. Também perguntou se alguém tinha pastéis de nata, estava com “vontade de comer um snack”. Alguém atento nos bastidores tratou do assunto e, minutos depois, Cabello e as bailarinas davam dentadas em bolos e exibiam latas de um refrigerante para a câmara (quem mais?). Foi nesta altura que começou Bam Bam, perante uma confusão em que a estrela pop ora cantou, ora pediu ao público para cantar, ora disse que ia ligar ao “amigo Ed [Sheeran, com quem partilha o tema]”, ora pediu água para empurrar o doce português.

Havana e Señorita surgiram para garantir momentos de felicidade coletiva de uma multidão que dançou e cantou — por vezes mais do que Camila Cabello). Depois veio a melancolia, com a nova June Gloom, e outros planos começaram a desenhar-se junto daqueles que estavam em frente ao Palco Mundo e as laterais começaram a esvaziar-se ainda antes da despedida com He Knows, (mais uma faixa do novo álbum).

A cantora disse que não vinha a Portugal há nove anos [foi em 2016, com as Fifth Harmony, pouco antes de abandonar a banda e a estreia que estava prevista em 2020 não se confirmou devido à pandemia] e, tendo em conta o impacto discreto que causou no Rock in Rio, ninguém vai perceber se demorar outros tantos.

As 21h58 ditaram o fim da atuação da cantora com origens cubanas e mexicanas e logo a seguir ficou explicado para onde tinha ido a debandada: Palco Galp, para ver Luísa Sonza. Um fenómeno que nasceu no YouTube, onde aos 16 anos já tinha o próprio canal, juntou um mar de gente para cantar Chico ou Sagrado Profano. O carinho que recebeu foi retribuído com uma bandeira portuguesa (clássico mas sempre de resultados garantidos), uma energia contagiante e uma dúvida que deixa para o futuro: será que não merece um palco maior? É que, a julgar pela quantidade de gente que abandonou depois de a ver, Sonza parece capaz de mover multidões.

Menos de uma hora depois, às 22h44, foi o momento de Doja Cat pisar o Palco Mundo. Aknowledge Me, pediu a rapper de Los Angeles, com uma peruca loira e comprida, óculos e um nariz a sangrar tão bem pintado que inicialmente parecia real. Excêntrica, sem pedir licença, foi aumentando o ritmo e os gritos à medida que o concerto ia avançando. Muitas vezes sozinha em palco, o aparato ficou apenas por conta dela.

80 mil esgotaram o último dia de Rock in Rio Lisboa. Doja Cat e Pedro Sampaio fecharam o festival

Marisa Cardoso

Ao terceiro tema, WYM, chegou-se mais à frente para puxar pelo público. “Uau, Lisboa”, disse para gritar logo a seguir a palavra com mais força: “Lisboa”. Compreendido. Dela não houve muito mais: chegou, cantou o que tinha a cantar e foi-se embora. As interações com o público resumiram-se a mais duas ou três ocasiões em que não passou do nome da cidade. Preferiu pedir apoio dos fãs fazendo gestos com as mãos para que subissem a intensidade, a temperatura e tudo o que fosse possível.

A norte-americana, que começou a fazer a própria música e a carregá-la no SoundCloud quando ainda era adolescente, dançou em cima de saltos agulha, deitou-se no chão e fez a espargata enquanto, a toda a velocidade, avançou no alinhamento: Demons, Tia Tamera, Piss, Gun, Loser. Get Into It, Say So, Need to Know e Agora Hills foram dos temas que mais fizeram o público reagir, mas aquele arrepio coletivo de ouvir 80 mil vozes em coro nunca chegou a ser ouvido no Parque Tejo.

Paint the Town Red foi, provavelmente, a canção mais aguardada pelo público, que se juntou a cantar e a dançar com Doja Cat, cuja ginástica em palco quase lhe custou o body cor de pele que simulava fitas adesivas e que já não controlava o corpo que ameaçava transbordar a qualquer instante. Wet Vagina encerrou a atuação depois de uma sequência de temas como Ain’t Shit e Rules, que esgotaram a energia à cantora. Para o público português foi enviado um beijo com as mãos e um aceno de adeus. Fim. Eram 23h59 e, tal qual Cinderela, Doja Cat parecia ter planos inadiáveis antes que o relógio desse a volta.

Para o público esta ainda não era a última paragem. Direção: Palco Galp, onde dez minutos depois, também ele com direito a fogo de artifício — quase uma continuação do espetáculo que acabara a encerrar o Palco Mundo —, Pedro Sampaio deu as boas-vindas a uma multidão ávida. Ele disse “Pedro”, o público gritou “Sampaio, vai”. E foi isto durante mais de uma hora, com toda a gente a saltar, a cantar e a libertar as últimas gotas de energia (sobretudo os muitos que vieram especificamente para ele e por ele). A multidão perdia-se de vista e o sistema de som não acompanhava as necessidades. Resolve-se o problema não parando a dança, com Dançarina e Galopa.

Pedro Sampaio foi DJ, Pedro Sampaio cantou, Pedro Sampaio dançou, Pedro Sampaio recebeu Luísa Sonza, que se juntou a ele para Atenção — ela, que por volta das 22h, também tinha direito a uma plateia cheia neste mesmo palco. “Olé, e salta Pedro, e salta Pedro, olé.” E o artista brasileiro saltou bem alto. “Muito obrigado por, mesmo eu encerrando o festival, terem esperado por mim.” Para muitos foi este “o” concerto que esperaram o dia todo. Pessoas a perder de vista copiaram religiosamente as coreografias (que já conheciam) ou que viam pela primeira vez em palco. Se a atuação tivesse sido no Palco Mundo, provavelmente teriam sido 80 mil a “fazer tremer Lisboa”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas