Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O que têm em comum o Estádio do Dragão, uma estátua de Almeida Garrett e uma calçada nas Fontainhas? Além de partilharem a localização na mesma cidade, o Porto, todos cabem na nova criação de Sara Barros Leitão, a atriz de 29 anos que já serviu às mesas, fez televisão e agora não consegue separar a vida do palco.

Foi na Casa D’Artes do Bonfim que nos recebeu, morada onde a peça “Todos Os Dias Me Sujo de Coisas Eternas” terá uma sessão única e gratuita no dia 12 de julho, inserida no programa Cultura em Expansão. À boleia de um itinerário, o público será guiado por um monólogo onde os conceitos de casa e rua se vão fundir e confundir. Numa das divisões, agora transformada em sala de ensaios, são muitos os livros e as revistas espalhadas em cima da mesa, há papéis e mapas colados no chão e uma grande janela que prende o olhar de Sara durante a entrevista, afinal é lá fora, na rua, que ganha inspiração.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.